Meteorologia

  • 01 JUNHO 2020
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Viana do Castelo pede medidas "específicas" para pequeno comércio

A Câmara e a Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC) vão pedir ao ministro da Economia medidas "específicas" para o pequeno comércio e serviços, afetados pela perda de "rendimento" devido à pandemia da covid-19.

Viana do Castelo pede medidas "específicas" para pequeno comércio
Notícias ao Minuto

15:18 - 01/04/20 por Lusa

País Covid-19

Em comunicado hoje enviado às redações, na sequência de uma reunião que decorreu hoje entre o autarca socialista, José Maria Costa, e o presidente da AEVC, Manuel Cunha Júnior, os dois responsáveis justificam o pedido de apoios com a "especificidade do tecido económico de Viana do Castelo e do Alto Minho".

"Prevalecem pequenas empresas de comércio local ou de pequenas atividades de serviços e de restauração e hotelaria", sublinham os dois responsáveis que efetuaram a "monitorização" do impacto da pandemia.

No conjunto de propostas a enviar numa carta dirigida ao ministro Pedro Siza Vieira, José Maria Costa e Manuel Cunha Júnior pedem uma "resposta rápida e eficaz aos sócios de microempresas e aos trabalhadores independentes" que, asseguram, "ficam excluídos da quase totalidade, ou mesmo totalidade", dos apoios já anunciados pelo Governo "devido à especificidade da sua atividade e do seu regime contributivo".

"As moratórias de créditos vão implicar que aumente o valor da dívida, com a inclusão dos juros não pagos durante o período de suspensão, e [fazem com] que simultaneamente também aumente o valor dos juros associados ao crédito como consequência do aumento do seu montante. Tal não poderá acontecer. Os bancos e as sociedades de garantia mútua terão de assumir a sua quota parte no impacto desta crise", argumentam.

Para os responsáveis, "os empréstimos a conceder às empresas devem ter uma taxa de juro zero", sendo "urgente adequar os mecanismos de obtenção dos apoios às medidas agora tomadas" para que não haja demora na disponibilização dos formulários.

A isenção da Taxa Social Única (TSU) às empresas que durante esta crise não necessitem de recorrer ao regime de 'lay-off' ou a outro regime de suspensão de contratos de trabalho e acelerar o pagamento de projetos cofinanciados pelo Estado português ou por fundos europeus", são outras das ações reclamadas.

A AEVC representa cerca de 1.100 associados.

De acordo com números avançados anteriormente à Lusa por Manuel Cunha Júnior mais de 80% das 600 lojas comerciais instaladas na área urbana de Viana do Castelo fecharam portas por causa da pandemia.

Segundo o presidente da AEVC, "o tecido empresarial instalado em todo o concelho de Viana do Castelo integra cerca de 3.400 empresas, perto de 1.000 dos setores de hotelaria, restauração e similares".

"No concelho de Viana do Castelo mais de 70% das empresas encerraram por causa da pandemia de Covid-19", especificou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Portugal regista hoje 187 mortes associadas à covid-19, mais 27 do que na terça-feira, e 8.251 infetados (mais 808), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório