Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2020
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 20º

Edição

Portugal entra esta semana na "fase de mitigação" da Covid-19

O anúncio foi feito esta terça-feira pelo secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales. Na prática, esta nova fase, a pior fase da pandemia, entra em vigor na próxima quinta-feira (dia 26), e estabelece novas medidas para o combate à propagação da Covid-19 no país.

Portugal entra esta semana na "fase de mitigação" da Covid-19

"Foi ontem publicada a norma 004/2020 que altera o paradigma de abordagem do doente suspeito ou com infeção por Covid 19", declarou o secretário de Estado, na conferência de imprensa realizada ao início da tarde desta terça-feira.

Significa isso, explicou, "da preparação do sistema de saúde para uma nova fase, a fase de mitigação da pandemia, e que produzirá efeitos a partir das 00h00 do dia 26 de março", ou seja, deixou de ser possível estabelecer cadeias de transmissão do novo coronavírus, que está agora presente e a disseminar-se na comunidade.

"Esta nova abordagem (...) implicará a criação de pelo menos uma área dedicada à Covid-19 em cada agrupamento dos centros de saúde", destacou António Lacerda Sales, esclarecendo que "apesar disso, as pessoas com sintomas devem [continuar a] fazer um contacto prévio com a Linha SNS24".

Isso mesmo pode ler-se no ponto III da norma da DGS: "As ARS, os Conselhos de Administração das Unidades Locais de Saúde (ULS) e os Diretores Executivos dos ACES devem garantir a criação de, pelo menos uma Área Dedicada COVID-19 (ADC-COMUNIDADE) em cada ACES, (...), com um número adicional de ADC-COMUNIDADE de acordo com a densidade populacional, a dispersão geográfica e a evolução epidemiológica regional e local de COVID-19".

Outras das situações previstas estabelece que doentes têm prioridade quando e se não for "possível testar todos os doentes com suspeita de COVID-19". A ordem é a seguinte:

a. Doentes com critérios de internamento hospitalar;

b. Recém-nascidos e grávidas;

c. Profissionais de saúde sintomáticos;

d. Doentes com comorbilidades, nomeadamente com DPOC, asma, insuficiência cardíaca, diabetes, doença hepática crónica, doença renal crónica, neoplasia maligna ativa, ou estados de imunossupressão;

e. Doentes em situações de maior vulnerabilidade, tais como residência em lares e unidades de convalescença;

f. Doentes com contacto próximo com pessoas com as comorbilidades identificadas acima.

Além disso, lê-se na norma, "os doentes em domicílio, com resultado laboratorial positivo, que fiquem assintomáticos durante o seguimento (...), repetem o teste entre o 10.º e o 14.º dia após o início dos sintomas". Sendo a cura "determinada pela existência de dois testes (RT-PCR para SARS-CoV-2) negativos, com pelo menos 24 horas de diferença".

De referir que, segundo o último boletim epidemiológico divulgado esta terça-feira pela DGS, há neste momento 2362 casos confirmados de infeção e 1783 a aguardar resultados. A lamentar há 30 (mais sete do que ontem) vítimas, entre elas a primeira no arquipélago dos Açores.

[Notícia atualizada às 13h56]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório