Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

"Não me vou demitir", assegura presidente da Câmara de Borba

António José Lopes Anselmo, presidente da Câmara de Borba, que foi constituído arguido e é um dos oito acusados pelo Ministério Público no âmbito da derrocada que vitimou cinco pessoas, assegurou esta quinta-feira que não se vai demitir.

"Não me vou demitir", assegura presidente da Câmara de Borba

Depois de ter sido acusado pelo Ministério Público no âmbito do processo relativo à derrocada na pedreira de Borba, que tirou a vida a cinco pessoas, António José Lopes Anselmo, presidente da Câmara de Borba, recusa demitir-se: "Não me vou demitir", assegurou em declarações aos jornalistas na manhã desta quinta-feira. 

O autarca escusou-se, porém, a adiantar mais informações, justificando que o processo "está em segredo de justiça". 

O Ministério Público, recorde-se, fez saber esta quarta-feira que deduziu acusação contra oito arguidos, um deles uma pessoa coletiva, no caso da derrocada da estrada 255 em Borba (Évora), por "vários crimes de homicídio e de violação de regras de segurança". 

Os crimes "foram imputados a decisores políticos locais, a responsáveis de serviços da administração direta do Estado", ao "responsável técnico" e à "sociedade proprietária de pedreira". 

Perante as circunstâncias, o autarca de Borba defendeu que "uma coisa é ser acusado, outra é preparar a defesa", assegurando ainda que "quem está em cargos políticos faz sempre a melhor coisa para servir a população" e que "consciência tranquila" sempre teve.

Na tarde de 19 de novembro de 2018, um troço de cerca de 100 metros da EM 255, entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évoracolapsou, devido ao deslizamento de um grande volume de rochas, blocos de mármore e terra para o interior de duas pedreiras. 

O desastre causou a morte de dois operários da empresa de mármore, na pedreira ativa - devido a um aluimento que provocou "o deslocamento da retroescavadora" que operavam - e de três homens que seguiam em duas viaturas na estrada que ruiu e que caíram para o plano de água da pedreira desativada.

A operação de resgate das vítimas começou de imediato e só acabou no dia 1 de dezembro

Na altura, o MP instaurou um inquérito, que terminou agora, para apurar as circunstâncias da derrocada. Num balanço após um ano do incidente, o MP revelou que foram ouvidas 21 testemunhas e constituídos nove arguidos, um deles uma pessoa coletiva

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório