Meteorologia

  • 09 ABRIL 2020
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Ambientalistas questionam sobre lixo a céu aberto no Porto de Leixões

A Associação Década Reversível (ADERE) questionou hoje a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) sobre a existência de lixo a céu aberto no Porto de Leixões, em Matosinhos.

Ambientalistas questionam sobre lixo a céu aberto no Porto de Leixões
Notícias ao Minuto

19:10 - 18/02/20 por Lusa

País ADERE

Numa carta dirigida à administração portuária, a que a Lusa teve acesso, o presidente da ADERE, Humberto Silva, pergunta com que regularidade e em que quantidade costumam chegar este tipo de resíduos a Leixões, assim como qual a sua proveniência.

Além disso, o ambientalista quer saber de que tipo de resíduos se trata, qual o tempo médio de espera em doca até ser levado ao seu destino final e ainda a que tipo de indústria se destina.

Na semana passada, a ADERE denunciou a presença de lixo a céu aberto no porto, numa extensão de cerca de 30 metros.

Humberto Silva disse não conseguir identificar o tipo de lixo espalhado, que aparentemente caiu de fardos depositados no porto que se terão rompido, nem tão pouco se se "trata de lixo importado" destinado a aterros em Portugal, acrescentando que a extensão dos fardos e do lixo a céu aberto "se estende por cerca de 30 metros" sendo visível a quem passa na Avenida Antunes Guimarães, em Matosinhos, distrito do Porto.

O lixo, referiu, está distribuído por "dois segmentos de fardos, cujo número total ultrapassa as centenas".

Posteriormente, a APDL esclareceu que o "lixo" que a ADERE denunciou existir em Leixões é matéria-prima destinada "à indústria nacional para transformação em produtos finais".

Em resposta a um pedido de esclarecimento, na sequência desta denúncia, a administração portuária informou que se tratava de "carga geral que está a ser movimentada de um navio, no caso resíduos importados", versão que hoje complementou.

"Em complemento à informação anterior, a APDL esclarece que se trata de matérias-primas que se destinam à indústria nacional para transformação em produtos finais", referiu a entidade de gestão portuária.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório