Meteorologia

  • 05 ABRIL 2020
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 18º

Edição

Costa nega ter tido conhecimento da encenação do furto de Tancos

As respostas do António Costa ao juiz Carlos Alexandre, no âmbito do assalto de Tancos, foram tornadas públicas. O primeiro-ministro saiu em defesa do seu ex-ministro e a resposta mais frequente às 100 questões colocadas é "não".

Costa nega ter tido conhecimento da encenação do furto de Tancos

António Costa tinha 15 dias para responder ao inquérito do juiz Carlos Alexandre, no âmbito do processo de Tancos, e fê-lo com num prazo de seis dias úteis. As resposta do primeiro-ministro foram tornadas públicas e podem ser consultadas aqui

No extenso leque de questões preparadas pelo magistrado,  o chefe de Governo revela que teve conhecimento do assalto aos Paióis Nacionais de Tancos (PNT) no dia 28 de junho de 2017, "no dia em que o mesmo foi detetado", pelo então ministro Azeredo Lopes. E neste dia contactou "imediatamente Sua Excelência o Presidente da República".

O magistrado que tem em mãos o processo questionou diretamente António Costa se teve conhecimento de que "a recuperação do material de Tancos tinha sido encenada". O socialista foi perentório: "Não". 

O primeiro-ministro negou ainda ter tido conhecimento, durante os restantes meses de 2017 e até outubro de 2018, que o arguido Azeredo Lopes soubesse que a recuperação do material tinha sido encenada, "efetuada mediante um acordo com os detentores do material e mediante uma investigação paralela". 

Ao juiz Carlos Alexandre, o primeiro-ministro revelou que nunca falou "com o então diretor da PJM [Polícia Judiciária Militar] sobre o assalto a Tancos, nem sobre qualquer outro assunto". 

Já questionado sobre se sabe qual a relação entre Azeredo Lopes e o diretor da PJM, Costa afirma: "Desconheço qualquer relação para além da relação institucional".  

No documento que foi entregue na terça-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal, o chefe de Governo vincou nunca ter falado "com nenhum elemento da Casa Militar da Presidência da República sobre este assunto".

Aliás, "não" é de facto a resposta mais frequente do líder partidário às 100 questões colocadas pelo juiz. António Costa saiu mesmo em defesa do seu ex-ministro, garantindo no processo que considera que "o professor doutor Azeredo Lopes sempre desempenhou com lealdade as funções de ministro da Defesa Nacional". 

A divulgação deste conteúdo é justificada pelo Governo pelo facto de terem sido "postas a circular versões parciais do depoimento". 

O processo de Tancos tem 23 acusados, incluindo o ex-diretor nacional da Polícia Judiciária Militar Luís Vieira, que já foi inquirido nesta fase, o ex-porta-voz da PJM Vasco Brazão e o ex-fuzileiro João Paulino, apontado como cabecilha do furto das armas, que respondem por um conjunto de crimes que incluem terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

O caso do furto das armas foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório