Meteorologia

  • 28 MAIO 2020
Tempo
26º
MIN 20º MÁX 33º

Edição

Manuel Clemente manifesta-se contra a despenalização da eutanásia

O cardeal-patriarca de Lisboa manifestou-se hoje contra a despenalização da eutanásia, admitindo assumir uma intervenção "antes, durante e depois" do debate marcado para 20 de fevereiro no parlamento.

Manuel Clemente manifesta-se contra a despenalização da eutanásia

Para Manuel Clemente, está em causa "a vida, o seu significado, sobretudo quando está mais fragilizada", sublinhou, em declarações à agência católica Ecclesia.

A despenalização da eutanásia "pode ser episodicamente aprovada, mas nós cá estamos, como seres humanos, nesta frente comum por uma humanidade melhor", afirmou, acrescentando que o tema "não se pode tratar de ânimo leve".

O também presidente da Conferência Episcopal Portuguesa defendeu que a "atitude correta" é estar "ao lado de quem sofre, para que essa última fase da sua vida - com tudo aquilo que os cuidados paliativos também podem e devem fazer, quando generalizados e aplicados -, seja uma fase positiva".

Nas declarações à Ecclesia, o cardeal patriarca mostrou-se convicto de que quem é acompanhado "não quer morrer".

"A vida tem de ser vivida em toda a sua latitude e longitude, ainda antes do nascer, na sua fase embrionária, e na sua fase final. Esta é uma questão que, ou se trata na totalidade, ou fica muito maltratada", acrescentou.

A questão da eutanásia deve marcar a próxima reunião do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, marcada para a próxima terça-feira, em Fátima.

A Assembleia da República agendou para 20 de fevereiro o debate dos projetos do BE, PS, PAN e PEV sobre a despenalização da morte medicamente assistida.

Em 2018, a Assembleia da República debateu projetos de despenalização da morte medicamente assistida do PS, BE, PAN e PEV, mas foram todos chumbados, numa votação nominal dos deputados, um a um, e em que os dois maiores partidos deram liberdade de voto.

Há dois anos, o CDS-PP votou contra, assim como o PCP, o PSD dividiu-se, uma maioria no PS votou a favor, o PAN e o BE votaram a favor.

Face ao resultado, os partidos defensores da despenalização remeteram para a legislatura seguinte, que saiu das legislativas de outubro, a reapresentação de propostas, o que veio a acontecer.

Na atual legislatura, há, de novo, projetos de lei sobre a morte medicamente assistida apresentados pelo Bloco de Esquerda, PS, PAN e PEV, que determinam as condições em que é despenalizada a eutanásia.

Para este dia, a Federação Portuguesa pela Vida tem prevista uma concentração junto à Assembleia da República, contra a despenalização da eutanásia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório