Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2020
Tempo
MIN 7º MÁX 19º

Edição

"Assalto ao povo angolano foi feito com lavagem de dinheiro em Portugal"

Catarina Martins comentou esta segunda-feira as revelações do Luanda Leaks.

"Assalto ao povo angolano foi feito com lavagem de dinheiro em Portugal"

Catarina Martins comentou, esta segunda-feira, as revelações do Luanda Leaks, que envolvem Isabel dos Santos. Instada a comentar o caso e a ligação a Portugal, a líder do Bloco de Esquerda começou por referir, à margem de uma visita ao Hospital de Torres Vedras, que "não há aqui nenhuma novidade"

"Há 20 anos que o jornalista angolano Rafael Marques tem vindo a denunciar este assalto autêntico que foi feito ao povo angolano por Isabel dos Santos, pela família dos Santos, com a cumplicidade da elite política e económica portuguesa", prosseguiu. 

Catarina Martins aproveitou ainda para salientar que "há 20 anos que o Bloco de Esquerda diz isso mesmo no Parlamento" e que tem "ficado tristemente isolados nessa denúncia".

"O assalto que foi feito ao povo angolano foi feito com lavagem de dinheiro em Portugal com a cumplicidade da  elite política e económica. Eu lembro que são parceiros de negócios de Isabel dos Santos o grupo Sonae, o grupo Amorim, o grupo BPI (...) E lembro também como tantos responsáveis políticos saltaram entre o governo e os interesses da família dos Santos em Angola: basta pensar em Martins da Cruz, Mira Amaral, Teixeira dos Santos, Durão Barroso... É uma lista que não acaba e que mostra essa promiscuidade", destacou a coordenadora do Bloco de Esquerda. 

Para a bloquista, "Portugal deve fazer a sua parte". "A justiça angolana está a atuar bem e a justiça portuguesa também têm de atuar. Porque o roubo que foi feito ao povo angolano foi também feito com crime económico em Portugal. É preciso que a justiça portuguesa atue também", insistiu.  

Catarina Martins considerou também que "o estado angolano tem toda a razão em fazer o arresto de bens" a Isabel dos Santos, sendo que, quando esta comprou "a Efacec, a sua participação na Galp e no BPI, fê-lo com dinheiro que roubou ao povo angolano".

Questionada sobre a eventual necessidade de saída de figuras da CMVM ou do Banco de Portugal, Catarina Martins foi peremptória:  "Não sei quantas vezes o BE já disse que, por exemplo, o Governador do BdP não tem condições para ser governador. Posso dizer mais uma: Carlos Costa não tem condições para estar à frente do Banco de Portugal."

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório