Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Governo espera manifestação "ordeira e respeitadora" feita pela PSP e GNR

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse hoje esperar que a manifestação conjunta de profissionais da PSP e da GNR, marcada para quinta-feira, ocorra de forma "ordeira e respeitadora da lei".

Governo espera manifestação "ordeira e respeitadora" feita pela PSP e GNR

"As manifestações são uma prática comum em democracia e estou certo de que os promotores da manifestação terão os cuidados indispensáveis para que a manifestação seja viva, ordeira e respeitadora da lei", afirmou aos jornalistas Santos Silva, que se deslocou à capital belga, Bruxelas, para participar numa reunião na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, sigla em português).

Profissionais da PSP e da GNR têm prevista para quinta-feira, em Lisboa, uma "manifestação conjunta e pacífica" para exigir ao novo Governo "a resolução rápida" dos problemas que ficaram por resolver na anterior legislatura.

Com o lema "tolerância zero", a manifestação é organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) e começa às 13:00 no Marquês de Pombal e ruma à Assembleia da República, com concentração marcada para as 16:00.

Apesar de o ministro da Administração Interna se ter reunido na quinta-feira passada com os sindicatos mais representativos da PSP e na segunda-feira com a APG/GNR, as estruturas decidiram manter o protesto, por ainda não estar definido um calendário para a resolução rápida dos problemas, mas apenas uma agenda de reuniões negociais.

O protesto já conta com apoio de outras associações sindicais e do autodenominado Movimento Zero, cuja composição é desconhecida.

O Movimento Zero foi criado através das redes sociais e dele fazem parte agentes da PSP e militares da GNR.

Na última legislatura, elementos das forças de segurança fizeram vários protestos, em defesa das carreiras e dos salários, mas nenhum assumiu contornos violentos, como o que ocorreu em março de 2014, igualmente junto à Assembleia da República, onde chegou a haver confrontos entre o Corpo de Intervenção e os manifestantes, quando estes derrubaram as barreiras policiais e tentaram subir as escadarias do parlamento, tendo resultado em 10 feridos.

Num universo de cerca de 20.000 efetivos da PSP, existem 18 sindicatos na polícia com cerca de 4.000 dirigentes e delegados, mas a legislação sobre as associações profissionais da polícia foi revista, determinando os critérios para terem capacidade para negociar com o Governo.

As associações esperam que seja a manifestação de quinta-feira seja o maior protesto conjunto das forças de segurança e que corra de forma pacífica e ordeira.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório