Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

José Mário Branco "foi capaz de transformar a política numa arte"

O chefe do Governo, António Costa, diz que José Mário Branco foi "sobretudo um artista notável".

José Mário Branco "foi capaz de transformar a política numa arte"
Notícias ao Minuto

19:54 - 19/11/19 por Melissa Lopes 

País José Mário Branco

O primeiro-ministro lembrou esta terça-feira José Mário Branco, cantautor que morreu esta terça-feira, como um "grande militante político" que traduziu na música essa militância e expressão.

"Terá sido mais visível, talvez, na fase anterior ao 25 de Abril mas não só. Há por exemplo um álbum notável que é o álbum do FMI e a canção que fez nos anos 80 que ainda hoje é uma peça notável de música e também uma marca de intervenção política", sublinhou António Costa em declarações aos jornalistas, à margem da apresentação de um livro que homenageia mulheres de vários quadrantes da sociedade.

"Foi sempre um militante político ativo. Ainda nas últimas eleições tomou posições muito claras. Acima de tudo, não se limitou a ser político, foi sobretudo um notável artista que foi capaz também de transformar a política numa arte", destacou.

O primeiro-ministro já havia lamentado esta terça-feira a morte do artista. "Não esqueceremos a sua música, a sua inquietação", escreveu no Twitter

Nascido no Porto, em maio de 1942, José Mário Branco é considerado um dos mais importantes autores e renovadores da música portuguesa, sobretudo antes do 25 Abril de 1974 quando estava exilado em França e no período revolucionário. O seu trabalho estende-se também ao cinema e ao teatro.

Foi fundador do Grupo de Ação Cultural (GAC), fez parte da companhia de teatro A Comuna, fundou o Teatro do Mundo, a União Portuguesa de Artistas e Variedades e colaborou na produção musical para outros artistas, nomeadamente Camané, Amélia Muge ou Samuel.

Estudou História nas universidades de Coimbra e do Porto, foi militante do PCP até ao final da década de 60 do século passado e a ditadura forçou-o ao exílio em França, para onde viajou em 1963, só regressando a Portugal em 1974.

Segundo o site esquerda.net, José Mário Branco teve depois uma intervenção política orientada para o agrupamento das correntes maoístas que viriam a dar origem à UDP, da qual foi fundador e dirigente, tendo sido eleito para a direção da UDP em 1980. Mais tarde, apoiou a fundação do Bloco de Esquerda.

Em 2018, José Mário Branco cumpriu meio século de carreira, tendo editado um duplo álbum com inéditos e raridades, gravados entre 1967 e 1999. A edição sucede à reedição, no ano anterior, de sete álbuns de originais e um ao vivo, de um período que vai de 1971 e 2004.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório