Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2019
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 17º

Edição

Empresas dizem que acidente em Borba foi "isolado". Sindicato desmente

Um ano depois do acidente na pedreira de Borba, o sindicato que representa os trabalhadores garante que os perigos persistem, enquanto a associação Assimagra salienta que foi um caso "isolado" e está a avançar com um processo de certificação.

Empresas dizem que acidente em Borba foi "isolado". Sindicato desmente
Notícias ao Minuto

11:18 - 17/11/19 por Lusa

País Borba

Em declarações à agência Lusa, Fátima Messias, coordenadora da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (Feviccom), referiu que "em termos laborais não se notaram mudanças" e "da parte das empresas não houve alteração de procedimentos que evitassem que novos acidentes venham a acontecer".

Por sua vez, o vice presidente da Assimagra - Associação Portuguesa dos Industriais dos Mármores, Granitos e Ramos Afins, Miguel Goulão, disse, por escrito, à Lusa, que "o acidente de há um ano foi um caso isolado que ganhou atenção mediática pelas trágicas consequências que teve e as quais levaram a que as entidades competentes iniciassem um processo de escrutínio pelo qual há muito o setor pugnava".

Fátima Messias assegurou, por seu lado, que "os problemas mantêm-se", incluindo "as distâncias em relação às pedreiras, o isolamento e o facto de estas estradas darem sinais de estarem deficitárias, com rachas e tudo".

Para a dirigente sindical tudo indicava "que depois daquele drama se tivesse feito o levantamento não só das pedreiras abandonadas, mas também que se criassem condições para que pessoas ou veículos passem em segurança", mas "não aconteceu nada disso".

A Assimagra garante que está a desenvolver uma campanha para o setor, como aliás já tinha avançado à Lusa em março deste ano.

"Consiste, essencialmente, no esforço adicional de sensibilização que está a ser feito para mobilizar as empresas e os trabalhadores para as questões da segurança", de acordo com Miguel Goulão.

O dirigente associativo adiantou ainda que o organismo está a trabalhar num "processo de certificação, porque é importante que as empresas possam ter uma forma de demonstrar que adotam as melhores práticas nesta matéria".

Ainda assim, o responsável recorda que "a criticidade do processo industrial que caracteriza este setor exige normas de segurança rigorosas que as empresas são obrigadas a adotar. Ainda assim, infelizmente, os acidentes acontecem".

Miguel Goulão realça ainda que a Assimagra criou, na altura do acidente, um fundo de solidariedade para apoiar as famílias afetadas. "Foi utilizado e serviu apenas como apoio inicial às famílias afetadas", afirmou.

Esta iniciativa foi "um gesto de solidariedade do setor e nada mais do que isso, já que o que veio, de facto, a ser relevante foi a indemnização que o Estado mobilizou para apoiar as famílias afetadas", ressalvou.

Fátima Messias, por sua vez, pediu um "plano para as pedreiras", que, afirmou, justifica-se a nível nacional.

"Nós temos ido aos locais de trabalho, com exigências, denúncias, mas não temos tido resultados", afirmou a coordenadora da Feviccom.

Na tarde de 19 de novembro de 2018, um troço de cerca de 100 metros da estrada municipal (EM) 255, entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora, colapsou devido ao deslizamento de um grande volume de rochas, blocos de mármore e terra para o interior de duas pedreiras, provocando cinco vítimas mortais.

Os 19 familiares e herdeiros das vítimas mortais da derrocada que pediram indemnizações à provedora de Justiça aceitaram os valores propostos por Maria Lúcia Amaral, num total de 1,6 milhões de euros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório