Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 14º

Edição

Lusodescendentes de Hong Kong com 'um olho' no estrangeiro

Após seis meses de protestos em Hong Kong, os lusodescendentes ainda não desesperam, disse o presidente do Club Lusitano, Patrick Rozario, uma vez que a grande maioria detém um passaporte estrangeiro que lhes permitiria emigrar.

Lusodescendentes de Hong Kong com 'um olho' no estrangeiro

O cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, Paulo Cunha Alves, disse na quarta-feira à Lusa que existem "cerca de 20 mil indivíduos em Hong Kong com passaporte português", sendo que apenas "entre 500 e mil serão portugueses expatriados".

A maior parte são lusodescendentes, que começaram a chegar à cidade assim que foi fundada pelos ingleses, há quase 180 anos. O potencial de Hong Kong atraiu não apenas macaenses, mas também, mais tarde, membros da então numerosa comunidade portuguesa em Xangai.

É o caso de Francisco da Rosa, que nasceu em Xangai e cresceu entre Macau e Hong Kong. "Hong Kong é a nossa casa e nós sentimos o seu sofrimento", afirmou à Lusa o investigador, que está atualmente a preparar uma exposição sobre a presença dos lusodescendentes na cidade, que deverá abrir ao público no Museu de História de Hong Kong em 2022.

A comunidade tem raízes centenárias na região. "[Mas] não nos sentimos tão arraigados a Hong Kong" como os chineses locais, explicou à Lusa Patrick Rozario. Hong Kong "tem-se tornado uma cidade mais chinesa", sublinhou o presidente do Club Lusitano.

O número de lusodescendentes em Hong Kong começou a cair a partir de 1967, quando o impacto da Revolução Cultural na China continental se começou a fazer sentir em Hong Kong, onde chegou a haver atentados terroristas.

A crise mundial do petróleo, em 1973, também encorajou os lusodescendentes a emigrar, nomeadamente para os Estados Unidos, Austrália e Europa, incluindo Portugal.

"Poucas famílias portuguesas têm três gerações a viver em Hong Kong", destacou Patrick Rozario, que foi estudar para o Canadá, onde acabou por viver durante 20 anos. "Como eu, muitos estão cá sobretudo para avançar na carreira e têm os filhos no estrangeiro", explicou o contabilista.

Tal como Patrick, que têm a nacionalidade canadiana, a maioria dos lusodescendentes em Hong Kong tem um ou mais passaportes estrangeiros. "Muitos membros da nossa comunidade têm uma perspetiva mais internacional, têm casa em Cascais ou em São Francisco [nos Estados Unidos] e por isso podem sempre partir quando quiserem", apontou.

Curiosamente, o presidente do Club Lusitano não tem nacionalidade portuguesa. "Nos anos 60 os meus pais tinham muito receio de que eu fosse chamado à tropa e fosse parar a Angola", para combater na Guerra do Ultramar", explicou. "Por isso mesmo eles preferiram naturalizar-se ingleses", acrescentou.

Patrick começou há vários anos, muito antes do início dos protestos, a tentar reaver o passaporte português. "Há muitos de nós a tentar fazer o mesmo, porque mesmo que já não saibamos falar a língua, eu pessoalmente continuo a sentir que sou macaense e que a nacionalidade portuguesa nos dá essa identidade", frisou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório