Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Portugueses com opiniões distintas sobre violência em Hong Kong

A atuação da polícia, acusada de usar força excessiva, levou uma portuguesa a juntar-se aos protestos. Mas uma outra portuguesa nascida em Hong Kong argumentou que os manifestantes estão a romancear um movimento cada vez mais violento.

Portugueses com opiniões distintas sobre violência em Hong Kong

Viena Mak Hei-man sugeriu um café escondido num terceiro andar de um edifício residencial numa zona de Hong Kong, tradicionalmente para turistas às compras, para falar. "É um 'café amarelo'", o que significa que apoia os protestos, oferecendo até descontos aos manifestantes, explicou à Lusa a jovem portuguesa.

Os protestos surgiram em oposição a uma controversa proposta de lei, que permitiria que a chefe do Executivo e os tribunais de Hong Kong processassem pedidos de extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

Para Viena, membro da Sociedade para a Proteção dos Golfinhos de Hong Kong, o receio era real. Em janeiro, foi a Xiamen, uma cidade no sudeste da China, proferir uma palestra sobre o negócio de criação de golfinhos em cativeiro, para serem vendidos a parques aquáticos de todo o mundo.

"Não achei que estivesse em perigo, mas com esta lei, já não iria lá porque é perigoso ser um ambientalista e estar contra esta indústria", argumentou Viena.

"Todos sabemos", disse, "as coisas terríveis que acontecem no sistema judicial chinês", descrito por dissidentes como opaco, politizado e incapaz de garantir a salvaguarda dos direitos humanos.

Mesmo após a maior manifestação de sempre em Hong Kong, que terá juntado a 16 de junho dois milhões de pessoas, segundo a organização, praticamente um terço da população, as autoridades recusaram-se a dar o 'braço a torcer'.

A atuação do Governo de Hong Kong tem sido "um desastre completo", lamentou a também cidadã portuguesa Georgine Leung, nascida na cidade.

A chefe do Executivo, Carrie Lam, começou por suspender a proposta em julho e acabou mesmo por a retirar em Setembro. Mas a situação não acalmou, salientou Viena Mak, devido "à ridícula resposta do Governo", que rejeitou as restantes quatro exigências do movimento, entre as quais a criação de uma comissão de inquérito independente para investigar a atuação da polícia, que é acusada de usar força excessiva.

"Foi por isso que me juntei aos protestos, devida à forma como a polícia tratou, não apenas os que estavam na linha da frente, mas também aqueles na retaguarda. Mesmo os jovens, os idosos, os jornalistas foram tratados como baratas", recordou, usando um insulto usado pela polícia contra os manifestantes.

A jovem tem ajudado a transportar e distribuir material durante os protestos, incluindo guarda-chuvas e 'kits' de primeiros socorros.

Viena emociona-se ao recordar os acontecimentos de 12 de junho, quando os protestos cercaram o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong. "Eu vi a primeira vez que a polícia disparou gás lacrimogéneo. Nessa altura achávamos que tudo era possível, mas desde então já aconteceu tanta coisa", afirmou.

Na terça-feira passada o 'campus' da Universidade Chinesa de Hong Kong foi palco de alguns dos combates mais violentos desde que os protestos começaram, com os estudantes a lançarem centenas de bombas incendiárias contra a polícia, que respondeu com balas de borracha e granadas de gás lacrimogéneo.

Isto um dia depois da polícia ter baleado dois manifestantes, um dos quais teve de ser operado de urgência, e de um homem ter ficado em estado crítico após ter sido regado com um líquido inflamável e incendiado por alegados manifestantes.

"A maioria dos meus amigos continua a ser fortemente a favor dos protestos", declarou Georgine Leung. "Mas a verdade é que os manifestantes estão a romancear tudo o que se está a passar", acrescentou a mãe de duas crianças, uma delas afetada pela suspensão das aulas já decretada em Hong Kong.

Viena Mak não vê um fim para o caos vivido na cidade. Tal como aconteceu com a chamada "revolução dos guarda-chuvas", em 2014, admitiu que é improvável que o Governo aceite as exigências dos manifestantes, sobretudo no que toca à implementação do sufrágio universal para a eleição do chefe do Executivo e do Conselho Legislativo. Ainda assim, a jovem nascida em Macau opta pela filosofia: "podemos perder esta guerra, mas os nossos ideais vão perdurar".

Um estoicismo que não descansa os pais de Viena, que ainda vivem em Macau, onde está em vigor desde 2009 uma lei de defesa da segurança do Estado que pune "qualquer ato de traição à pátria, de secessão, de sedição, de subversão contra o Governo popular central".

"Eles pedem-me frequentemente para não colocar no Facebook certas coisas relacionadas com os protestos, porque têm medo que seja detida em Macau", explicou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório