Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Funcionários passam noite em cervejaria para evitar saída de equipamento

Uma parte dos 25 funcionários da Cervejaria Galiza, no Porto, vai passar a noite nas instalações para evitar que se repita a tentativa frustrada da noite anterior de retirada do equipamento pela proprietária, assegurou hoje à Lusa fonte sindical.

Funcionários passam noite em cervejaria para evitar saída de equipamento
Notícias ao Minuto

22:13 - 12/11/19 por Lusa

País Porto

Anunciada para o final da tarde, a reunião dos sindicalistas e dos representantes dos trabalhadores com a advogada da proprietária, Mónica Ferreirinha, acabou por não acontecer, ficando as partes de voltar a falar na quarta-feira para encontrar uma hora para reunir.

O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte, Nuno Coelho disse à Lusa que em face da reunião que não aconteceu "os trabalhadores irão manter-se nas instalações e vigilantes durante a noite" para dessa forma "evitar que volte a acontecer a tentativa de retirada do material da cervejaria".

Em causa, lembrou Nuno Coelho, está a falta de "uma solução para o pagamento do subsídio de Natal de 2018 e da segunda tranche do salário deste mês" pela proprietária Delfina Amaral.

Pelas 18:00, hora prevista para a reunião de hoje, a cervejaria funcionava normalmente, servindo refeições a cerca de dezena de clientes que estavam no seu interior, nada indicando que na noite anterior uma parte do equipamento, como denunciou através de fotografias à Lusa o coordenador sindical, "estava pronto para ser retirado da cervejaria ao mesmo tempo que a proprietária tentou mudar a fechadura da porta do estabelecimento".

No passado sábado, "todos os 25 trabalhadores" da cervejaria cumpriram um dia de greve em protesto contra os atrasos nos pagamentos das remunerações.

O principal motivo da greve deveu-se ao facto de a empresa "não ter cumprido o acordo de pagar em julho o subsídio de Natal, decidido numa reunião no Ministério do Trabalho, nem, depois, em outubro, como posteriormente ficou combinado".

"Mas também pretendemos protestar porque os vencimentos mensais estão a ser pagos ultimamente em duas ou três parcelas mensais, além de que os salários estão congelados há uma década", afirmou o sindicalista.

Depois de "a gerência ter deixado ao abandono o restaurante", há quatro anos, a empresa entrou em dificuldades e as dívidas ao Fisco e à Segurança Social "chegaram aos dois milhões de euros", sublinhou o sindicalista.

A tentativa de resolver o problema passou pelo recurso a um Processo Especial de Revitalização (PER), aceite pelo Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia, e pela chegada de um gestor.

"O problema é que as suas decisões não ajudam em nada à viabilização da casa", sublinhou.

Fundada a 29 de julho de 1972, a cervejaria detida pela empresa Atividades Hoteleiras da Galiza Portuense é "uma das referências do Porto no setor da restauração", mas, ao ter alterado "para pior produtos e serviços", colocou "em causa a qualidade e diversidade do serviço, o que levou ao afastamento de clientes importantes da casa", figuras "de grande relevância nacional ligada à política, artes e desporto", referiu o sindicato, num comunicado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório