Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Funcionários das Finanças, SEF e Seg. Social detidos em megaoperação

Mais de 200 inspetores estão, na manhã desta terça-feira, no terreno. Até às 09h00 foram detidas mais de 20 pessoas.

Funcionários das Finanças, SEF e Seg. Social detidos em megaoperação

A Polícia Judiciária desencadeou, esta terça-feira, uma megaoperação que com o objetivo de desmantelar uma rede criminosa a operar em várias entidades do Estado.

De acordo com informação avançada pela TVI24, a Polícia Judiciária esteve no terreno a realizar buscas e a efetuar detenções no âmbito de uma investigação que durava há já três anos.

A operação, a que os inspetores deram o nome de Rota do Cabo, teve como finalidade o "desmantelamento de uma organização criminosa responsável pela introdução ilegal em Portugal e na Europa, de milhares de imigrante".

Segundo refere a PJ em comunicado, em causa estão crimes de associação criminosa, auxílio à imigração ilegal, de casamento por conveniência, de falsificação de documentos, de abuso de poder, de corrupção ativa e passiva, de branqueamento de capitais e de falsidade informática e acesso indevido.

Até ao momento já foram detidas, em Lisboa, mais de 20 pessoas, entre as quais se contam dois funcionários da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), dois da Segurança Social, uma inspetora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e ainda três advogados.

De acordo com a mesma fonte, esta "estrutura criminosa [é] constituída por indivíduos com vastos antecedentes criminais e com ligações a redes internacionais que determinam e controlam os fluxos migratórios irregulares com origem em diversos países da Ásia Meridional e África".

Os detidos são suspeitos de aceitarem subornos, há vários anos, para darem 'luz verde' à legalização de imigrantes que chegam a território nacional e que acabam por cair nas malhas do tráfico sexual e exploração laboral.

A função dos suspeitos era a de manipular, informaticamente, informações relativas a estes imigrantes, como os contratos de trabalho e as autorizações de residência, sendo que era dada primazia no SEF aos processos ligados a determinados imigrantes.

Este esquema utilizava Portugal como a porta de entrada na Europa destes imigrantes que, assim, podiam posteriormente circular pelos países do Espaço Schengen.

A TVI24 soube também que um dos detidos é Sabirali Ali, advogado de ascendência indiana, que, em 2013, foi condenado em Lisboa a cinco anos de cadeia, com pena suspensa, por 20 crimes de falsificação de documentos, e 19 crimes de auxílio à imigração ilegal. pelo SEF por gerir um negócio de legalização de imigrantes.

Os suspeitos vão ser presentes amanhã a tribunal para aplicação das respetivas medidas de coação.

[notícia atualizada às 11h50]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório