Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2019
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Mário Ferreira e ex-maquinista de barcos do Douro tentam acordo

O julgamento de um ex-trabalhador dos barcos do Douro, acusado de difamar o empresário Mário Ferreira, proprietário da Douro Azul, foi suspenso hoje, logo no seu início, ante a possibilidade de acordo entre as partes.

Mário Ferreira e ex-maquinista de barcos do Douro tentam acordo
Notícias ao Minuto

17:43 - 10/09/19 por Lusa

País DouroAzul

No Tribunal Criminal do Bolhão, no Porto, a juíza titular do processo determinou que as partes têm até 23 de setembro para apresentar o texto de um acordo, sem o que o julgamento avança nessa data.

Após ouvir os advogados, a magistrada judicial considerou que "há possibilidade séria" desse entendimento.

Mário Ferreira está no estrangeiro, mas autorizou o seu advogado a negociar com o representante do arguido.

O empresário deduziu acusação particular, acompanhada pelo Ministério Público, contra o ex-maquinista de barcos do Douro Gonçalo Gomes que, nomeadamente em 18 de junho de 2017, o classificou como o "tubarão" que "não gosta de verdades".

"Tresanda a exploração e corrupção onde mete as mãos", referiu também o ex-maquinista na rede social Facebook.

A Gonçalo Gomes, que está acusado pela prática do crime de difamação com publicidade, Mário Ferreira pede uma indemnização de cinco mil euros por danos não patrimoniais.

O ex-maquinista já tinha sido condenado a multa por ofensa à empresa de Mário Ferreira, a Douro Azul, tendo rejeitado, antes desse julgamento, qualquer entendimento.

Tendo igualmente como pano de fundo considerandos acerca da alegada exploração laboral na atividade marítimo-turística no rio Douro, Gonçalo Gomes foi também condenado a multa por ofensa a outra operadora de turismo fluvial, a Tomaz do Douro - Empreendimentos Turísticos, Lda., para a qual trabalhou.

A Tomaz do Douro acusou-o de imputar à empresa factos que "assumem caráter calunioso", em 'posts' na rede social Facebook, após terminar "por caducidade" o  contrato de trabalho do funcionário, em 4 de dezembro de 2016.

Em 9 de setembro de 2017, o ex-maquinista envolveu-se numa ação de protesto, em Vila Nova de Gaia, contra a precariedade dos trabalhadores do setor do turismo fluvial do rio Douro, enquanto porta-voz da denominada Plataforma Laboral e Popular (PLP).

Distribuindo panfletos bilingues (português e inglês), com o título "Douro em Luta", junto de turistas e transeuntes, quatro elementos da PLP pretenderam chamar a atenção para a necessidade de "acabar com a precariedade no setor do turismo", "acabar com os salários miseráveis" pagos pelos operadores no Douro e "acabar com os abusos nas jornadas semanais", de "60 horas, sem direito a descansar dois dias por semana".

Gonçalo Gomes afirmou então aos jornalistas que existia "escravatura laboral" neste setor.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório