Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2019
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Investigadores procuram usar tecnologia para monitorizar vespa asiática

Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) estão a estudar uma forma de instalar microtransmissores na vespa asiática para segui-la até aos ninhos, monitorizar estes e avaliar a melhor forma de os destruir.

Investigadores procuram usar tecnologia para monitorizar vespa asiática
Notícias ao Minuto

15:01 - 05/09/19 por Lusa

País UTAD

O projeto 'GoVespa' procura a aplicação de novas tecnologias para ajudar à resolução da proliferação de ninhos de vespas velutinas, conhecida como vespa asiática, em Portugal, que "está a preocupar seriamente a comunidade científica", destacou hoje a universidade, de Vila Real, em comunicado.

A metodologia da equipa de investigação da UTAD passa pela captura das vespas vivas, sem as ferir, de modo a proceder à colocação de um microtransmissor no dorso, libertar as vespas e seguir o seu voo, através de um radar ou um drone [veículo aéreo não tripulado], filmar e fotografar o ninho e, por fim, fazer voos nas imediações dos ninhos identificados e procurar novos ninhos.

O investigador do departamento de Ciências Florestais e Arquitetura Paisagista da UTAD, José Aranha, citado no comunicado, alerta que "é fundamental apanhar as vespas fundadoras (rainhas) no início da primavera, de modo a que não criem colónias e não se dispersem".

"Impõe-se a deteção precoce de ninhos e a procura de ninhos primários para tentar apanhar as fundadoras", realça.

Para José Aranha, a "deteção dos ninhos nem sempre é tarefa fácil", pois, apesar de "alguns se localizarem em árvores baixas ou em telhados, sendo por isso facilmente visíveis, outros localizam-se em árvores altas, como por exemplo eucaliptos adultos, e neste caso é muito difícil ver os ninhos, não só pela distância ao solo como pelo facto desta espécie florestal apresentar folhas todo o ano".

Assim, a captura da vespa asiática, e a instalação de um microtransmissor no dorso, permitirá a identificação dos ninhos mais inacessíveis.

"Posteriormente, estes dados serão inseridos no Sistema de Informação Geográfica já criado e usados para melhorar o modelo de suscetibilidade à dispersão da vespa velutina", refere ainda o comunicado.

Este modelo de dispersão permitirá concentrar esforços de localização de ninhos secundários e eleger áreas prioritárias onde colocar as armadilhas primárias, acrescenta.

Designada cientificamente por vespa velutina, a vespa asiática registou o primeiro avistamento em Portugal em 2011, no distrito de Viana do Castelo e, "desde aí, tem vindo a deslocar-se para o sul do país, sendo que Lisboa, até agora, é o distrito mais a sul onde existe a presença da vespa velutina", disse Ricardo Vaz Alves, do Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR.

"Desde 2017 até ao corrente ano, temos verificado um aumento do número de denúncias", afirmou Ricardo Vaz Alves, em declarações à agência Lusa, indicando que, em 2017, contabilizaram-se 499 avistamentos, número que aumentou para 708 em 2018 e que, este ano, até 25 de agosto, soma 508 situações relacionadas com a presença de vespa asiática.

Em termos de localização, os distritos onde se registaram mais denúncias, ao longo deste ano, foram Porto (133), Braga (92), Viseu (60), Aveiro (53) e Coimbra (50).

Como não tem predadores naturais, a vespa asiática coloca em perigo a biodiversidade, as abelhas e consequentemente a polonização, podendo ameaçar também a segurança das pessoas.

A vespa asiática é de tamanho superior e mais escura do que a vespa comum, e com apenas uma lista amarela no abdómen, não devendo ser confundida com a vespa crabro que é ainda maior, mas com o abdómen todo amarelo e que não representa uma ameaça.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório