Meteorologia

  • 04 ABRIL 2020
Tempo
16º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Trabalhadores de limpeza no S. João exigem aumento do subsídio

Dezenas de trabalhadores da empresa de serviços de limpeza Clece em serviço no Hospital de São João, no Porto, concentraram-se hoje junto à unidade hospitalar para reivindicar o aumento do subsídio de alimentação para os 3,5 euros.

Trabalhadores de limpeza no S. João exigem aumento do subsídio
Notícias ao Minuto

11:04 - 29/07/19 por Lusa

País Hospital

Os trabalhadores, em greve de 24 horas, que está a registar uma adesão "próxima dos 90%", recebem atualmente 1,85 euros, disse à Lusa Vivalda Silva, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades diversas (STAD).

"Já tinha havido um compromisso para que o subsídio de alimentação aumentasse para 3,5 euros, que não foi efetivado, e os trabalhadores decidiram fazer lutas até que realmente haja um compromisso e uma efetivação de um aumento subsídio alimentação", disse.

Vivalda Silva admitiu, contudo, que a luta das trabalhadoras que fazem todo o serviço de limpezas no Hospital de São João possa terminar, uma vez que o caderno de encargos do concurso que está a decorrer para seleção da empresa prestadora do serviço "já prevê esse aumento".

"A informação que temos é que no novo concurso o caderno de encargos já prevê esse aumento de subsídio de alimentação. Temos uma informação verbal de que isso está a acontecer. O concurso está a decorrer, vamos ver", sublinhou.

A dirigente do STAD considerou que, "se o caderno de encargos prevê esse aumento, é porque o hospital está na disposição de dar esse dinheiro à empresa que ganhar o concurso, para que o subsídio de alimentação seja aumentado".

"Se isso acontecer, claro que as trabalhadoras não vão continuar a fazer greve. Elas não querem fazer greve, elas só querem um subsídio de alimentação que seja mais digno, porque realmente 1,85 euros não é nada", frisou.

Reivindicam também que o subsídio de alimentação seja pago pelos dias efetivamente trabalhados, porque "a empresa não paga o subsídio de alimentação aos funcionários que trabalham ao sábado", explicou Vivalda Silva.

Segundo a dirigente do STAD, trabalham no serviço de limpeza do Hospital de São João um total de "220 trabalhadores, mas diariamente estão ao serviço cerca de 100".

O sindicato está a negociar o contrato coletivo de trabalho para o setor propondo o aumento do subsídio de alimentação para cinco euros.

"Se na contratação coletiva o valor for de cinco euros, as trabalhadoras do São João terão de levar também esse valor, mas para já o que reivindicam são os 3,5 euros", acrescentou.

A Lusa contactou o Hospital de São João para obter mais esclarecimentos, mas até ao momento não obteve resposta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório