Meteorologia

  • 20 JUNHO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 23º

Edição

Costa em Malta em defesa de mudanças nos cargos e na estratégia europeia

O primeiro-ministro participa hoje, em Malta, numa cimeira dos Países do Sul da União Europeia, onde estará com alguns dos seus principais aliados políticos nos processos de nomeação para cargos europeus e da agenda estratégica até 2024.

Costa em Malta em defesa de mudanças nos cargos e na estratégia europeia
Notícias ao Minuto

06:20 - 14/06/19 por Lusa

País Hoje

Nesta VI Cimeira dos Países do Sul da União Europeia, em La Valletta, além de António Costa estarão presentes os chefes de Estado e de Governo da França (Emmanuel Macron), Espanha (Pedro Sánchez) Itália (Giuseppe Conte), Grécia (Alexis Tsipras), Malta (Joseph Muscat) e Chipre (Nicos Anastasiades).

A reunião, que começa a meio da tarde e se prolonga por um jantar de trabalho, tem como primeiro ponto o "seguimento das eleições para o Parlamento Europeu e da reunião informal de chefes de Estado e de Governo de 28 de maio passado".

Este é precisamente um processo em que António Costa tem estado na primeira linha, sendo um dos negociadores do grupo de seis líderes de Estados-membros que procura um consenso entre as três principais famílias políticas europeias (democrata-cristã, liberal e socialista) para a escolha dos futuros presidentes da Comissão, Conselho, Parlamento Europeu, Alto Representante para a Política Externa e Segurança e Banco Central Europeu.

Antes ainda das eleições europeias de 26 de maio passado, o primeiro-ministro traçou como objetivo político a criação de uma "frente progressista", incluindo desde liberais aos socialistas radicais, capaz de mudar a atual orientação da União Europeia, tendo em vista impulsionar a reforma da zona euro, reforçar a coesão entre os diferentes Estados-membros e o peso do pilar social e, em simultâneo, aumentar os investimentos em investigação e ciência.

António Costa considera que a atual visão "conservadora" já não consegue responder às exigências da maioria dos cidadãos europeus, razão pela qual entende que o primeiro passo deve passar por uma mudança dos principais protagonistas nas diferentes instituições europeias.

Nessa "frente progressista", o líder do executivo português inclui naturalmente o socialista espanhol Pedro Sánchez, mas conta, igualmente, com o apoio do presidente francês, Emmanuel Macron, que está na corrente liberal, e do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras - este último líder de um partido, o Syriza, que se tem vindo progressivamente a afastar da chamada extrema-esquerda europeia.

Além da questão das negociações dos lugares nas presidências da Comissão, Conselho, Parlamento Europeu, Alto Representante para a Política Externa e Segurança e Banco Central Europeu, esta cimeira vai procurar um entendimento entre os Estados-membros do sul em torno da Agenda Estratégia 2019/2024.

"Esta cimeira constituirá uma boa oportunidade para concertar posições com os países do sul sobre prioridades para a próxima agenda estratégica 2019-2024 - agenda que será adotada no Conselho Europeu, na próxima semana, em Bruxelas", disse à agência Lusa fonte oficial do executivo português.

O projeto de Agenda Estratégica em discussão tem quatro eixos: Proteção dos cidadãos e liberdades; desenvolvimento da base económica; ambiente, verde, justo e inclusivo; e promoção dos interesses e valores da Europa no mundo.

Em matéria relativa ao Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia, instrumento estratégico classificado como "decisivo" para Portugal, o executivo nacional tem considerado essencial a existência de alterações em relação à atual proposta em áreas como a política coesão e a Política Agrícola Comum (PAC).

"Portugal continua empenhado em conseguir um acordo dentro do prazo estabelecido pelo Conselho Europeu para garantir um arranque atempado do próximo Quadro. Consideramos que a qualidade do futuro Quadro Financeiro Plurianual é primordial e que este deve refletir claramente a ambição desejada para a União Europeia e um equilíbrio justo entre os diferentes interesses", salientou a mesma fonte do Governo português.

Na Cimeira de La Valletta, os chefes de Estado e de Governo dos sete países que integram este fórum vão ainda debater as prioridades da ação externa da União Europeia relevantes para a região mediterrânica, com particular destaque para a situação na Líbia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório