Meteorologia

  • 16 JUNHO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 17º

Edição

Ex-combatentes das Forças Armadas não querem ser esquecidos

Os ex-combatentes das Forças Armadas apelaram hoje para não serem esquecidos pelo povo e pelo Estado, recordando que, há mais de 40 anos, lutaram pela pátria e em prol da paz.

Ex-combatentes das Forças Armadas não querem ser esquecidos

No 26.º encontro nacional, que decorreu junto ao Monumento aos Combatentes do Ultramar, em Belém, centenas de ex-militares e familiares prestaram homenagem aos que combateram e combatem por Portugal.

O vice-almirante João Pires Neves, presidente da comissão executiva do encontro destacou a importância das forças armadas, no passado e no presente, para a paz e os custos disso.

"As gerações dos nossos filhos e as seguintes não deixarão esquecer que Portugal e as suas forças armadas contribuíram para a paz no mundo", disse.

O vice-almirante lembrou que os combatentes do ultramar tinham cerca de 20 anos quando foram obrigados a ir para a guerra e a lutar pelos interesses da pátria.

"Apesar das forças armadas agora estarem diferentes, os valores são os mesmos. A moral, coragem, integridade, disciplina que levam ao respeito pelo ser humano, à compaixão e à justiça", acrescentou o responsável pela comissão executiva.

Alguns ex-combatentes presentes na cerimónia lamentaram o que apelidaram de "abandono" por parte do Estado e a falta de ajudas a quem no ultramar lutou nos anos 60/70 pelo país, pedindo apoios sociais e para a saúde.

As reivindicações são antigas e os ex-combatentes do ultramar continuam a insistir que merecem mais apoios na área da saúde, lembrando que atualmente a média de idades de quem esteve em Angola, Moçambique, Guiné e outros países ronda os 70/80 anos.

À semelhança dos anos anteriores, o Presidente da República, que assinalou o 10 de Junho em Portalegre, enviou uma mensagem escrita que foi lida por João Pires Neves.

Marcelo Rebelo de Sousa começou por homenagear todos os portugueses que sacrificaram a vida no cumprimento do dever e por um inestimável serviço à pátria.

"Esse elevado gesto de generosidade deve comprometer a vida de todos nós num permanente combate pelos princípios que determinam o nosso projeto comum: uma sociedade livre, fraterna e justa", lia-se na missiva.

Para o Presidente da República, as experiências de guerra e as "indeléveis consequências ao longo da vida" tornam legítimo "conceder o direito" de ouvir os ex-combatente.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório