Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
22º
MIN 21º MÁX 23º

Edição

Situação "é muito confusa" e de "grande incerteza", conta portuguesa

Uma representante da comunidade portuguesa na Venezuela disse hoje à agência Lusa que a situação no país "é de grande incerteza" depois do anúncio de que os militares passaram a apoiar o autoproclamado Presidente, Juan Gauidó.

Situação "é muito confusa" e de "grande incerteza", conta portuguesa

"Está tudo muito confuso ainda. Estamos praticamente com as comunicações caídas, com as redes sociais a funcionar a meio gás e ainda não temos uma perspetiva do que é", disse Milu de Almeida, por telefone, a partir de Caracas.

A portuguesa, que representa os emigrantes na Venezuela no órgão consultivo do Governo para as questões da emigração (Conselho das Comunidades Portuguesas), disse que, a pouca informação que chega através das redes sociais, dá conta de que "aparentemente o Presidente Guaidó e o líder da oposição Leopoldo Lopes, que estava preso, estão numa base aérea com vários militares e estão a pedir ao povo para sair à rua".

Milu de Almeida adiantou que a rádio e televisão mantêm a programação normal como "se não se passasse nada".

A emigrante adiantou que foi aconselhada pelo filho a permanecer em casa em Caracas, onde são atualmente 08:00.

"O meu filho disse para não sair de casa porque a autoestrada está bloqueada, os caminhos estão bloqueados, os miúdos não tiveram aulas. Mandaram todo o mundo para casa e não recebem ninguém", adiantou.

"O que estamos a viver é isto: muita incerteza, mas não consigo dizer, neste momento, se foi isto ou aquilo. Teremos que esperar um bocado mais para ver o desenvolvimento", acrescentou.

A representante do CCP diz que a comunidade portuguesa continua "com a mesma preocupação e a mesma incerteza" e na expetativa de ver o que "isto vai dar".

"Não é que a comunidade queira abandonar o país, mas estamos a passar por momentos muito difíceis e as pessoas têm esperança que isto comece a normalizar porque se não normalizar têm que tomar outros rumos e outras decisões. Mas de momento, não sabemos o que fazer ainda", sublinhou.

O autoproclamado Presidente da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou hoje que os militares deram "finalmente de vez o passo" para o acompanhar e conseguir "o fim definitivo da usurpação" do Governo do Presidente Nicolás Maduro.

"O 1 de maio, o fim definitivo de usurpação começou hoje", disse Guaidó num vídeo publicado na sua conta na rede social Twitter, no qual está acompanhado por um grupo de soldados na base de La Carlota, a leste de Caracas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório