Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 24º

Violência doméstica: Troca de informações com Espanha foi muito positiva

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade fez hoje um balanço "muito positivo" do encontro de trabalho de dois dias com o Governo espanhol sobre prevenção e combate à violência de género e doméstica.

Violência doméstica: Troca de informações com Espanha foi muito positiva

Em declarações à agência Lusa, Rosa Monteiro destacou como medidas a implementar em Portugal "os mecanismos de informação e de produção, análise e emissão de dados oficiais, assim como também recomendações no domínio da informação, não só mecanismos para tornar a informação mais mandatória em vários setores, mas também em termos de modalidades de formação, mais centradas em casos, mais centrados numa abordagem compreensiva daquilo que é este crime e das especificidades deste crime e da especificidade destas vítimas".

A governante sublinhou a necessidade de o sistema fazer a análise da especificidade das vítimas, "para compreender e interpretar uma vítima de violência, os seus receios, as suas inseguranças, as suas hesitações, os seus não ditos, que têm de ser lidos num contexto de grande fragilidade, em que a vítima, por ela própria, não consegue identificar um determinado comportamento ou um determinado sinal ou tem receio de o fazer".

"É fundamental olhar para as várias partes do sistema para fazer uma análise", afirmou, destacando que nada disto se faz de um dia para o outro e que há sempre a necessidade de ir aperfeiçoando, "porque são crimes que têm na sua origem e expressão em dinâmicas sociais que estão sempre a mudar".

Rosa Monteiro afirmou que do encontro "resultaram conclusões muito importantes" e que de seguida será feito um balanço com os intervenientes dos vários setores e serviços, para perceber o que Portugal vai adaptar ou não e como o vai fazer.

"Estamos a fazer um caminho de melhoria e não deixar cair o tema, que está em plena agenda pública, política e mediática, é muito positivo, porque estão criadas as condições e existe o entendimento e este consenso social em torno da necessidade de ser intransigente com a violência", acrescentou.

A governante sublinhou que muitas vezes "em Portugal ainda se vê nos vários setores, operadores e até na sociedade em geral uma culpabilização das mulheres e uma menorização daquilo que são as suas queixas e daquilo que são as situações de violência que vivem".

Sublinhando que a troca de experiências e de informação foi "muito positiva" e que "alguns dos participantes disseram que o tempo foi pouco para explorar tanta coisa", Rosa Monteiro referiu que os representantes espanhóis "puderam perceber e levar algumas ferramentas que Portugal já possui nesta área", apesar de já terem um percurso de maior maturidade em termos de ferramentas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório