Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 9º MÁX 17º

Edição

SESARAM acusa coordenador da medicina nuclear de perturbar setor

As acusações de mau funcionamento do Serviço de Saúde da Madeira (SESARAM) feitas pelo coordenador da medicina nuclear, Rafael Macedo, perturbaram o setor, gerando "alarmismo e falta de confiança" na população, disse hoje a presidente do conselho de administração.

SESARAM acusa coordenador da medicina nuclear de perturbar setor
Notícias ao Minuto

18:56 - 04/04/19 por Lusa

País Ilha

"Viveram-se momentos muito tristes no SESARAM, em que pela primeira vez, no tempo que lá estou [desde janeiro de 2017], vi médicos a lamentar o que outros seus pares afirmaram da sua atividade", afirmou Tomásia Alves, em audição parlamentar na Comissão de Inquérito ao Funcionamento da Unidade de Medicina Nuclear.

A responsável esclareceu que Rafael Macedo foi suspenso e alvo de processo disciplinar não apenas pelas declarações que fez numa reportagem da TVI e depois na comissão de inquérito, mas também na sequência de faltas injustificadas e de denúncias que publicou numa rede social nos últimos meses.

"O processo disciplinar não acontece de um dia para o outro, é um processo contínuo", disse Tomásia Alves, vincando que a administração do SESARAM remeteu queixas contra o médico para três entidades: Ministério Público, Ordem dos Médicos e Comissão de Ética do Serviço de Saúde.

Por outro lado, garantiu que o coordenador e único especialista da Unidade de Medicina Nuclear nunca lhe transmitiu oficialmente qualquer denúncia ou acusação sobre a atividade e a relação com os seus pares, manifestando-se sempre empenhado em colocar a unidade a funcionar.

A Comissão de Inquérito ao Funcionamento da Unidade de Medicina Nuclear do SESARAM foi constituída a pedido do PSD, partido da maioria, após uma reportagem da TVI, emitida em fevereiro.

A investigação jornalística concluiu que o Hospital do Funchal encaminhava pacientes para fazer exames de medicina nuclear numa clínica privada instalada na região em 2009, enquanto a sua própria unidade, inaugurada em 2013 e certificada em 2017, estava "praticamente parada".

Rafael Macedo foi um dos protagonistas da reportagem e mais tarde, a 20 de março, foi ouvido na comissão de inquérito, onde afirmou que "alguns colegas são negligentes", quer no setor público como no privado, acusando-os de fornecerem tratamentos que "não são adequados" e apontando ainda deficiências nas fichas clínicas e no registo de doentes.

O médico sublinhou em particular os serviços de Hemato-Oncologia, Urologia e Ortopedia, afirmando que funcionam "muito mal" e, por outro lado, disse que havia "desvio deliberado" de doentes para o setor privado.

"Criou-se um sentimento de insatisfação e de grande frustração [no corpo médico do SESARAM] por um dos pares estar a pôr em causa o seu trabalho e um grande sentimento de injustiça", afirmou Tomásia Alves, sublinhando também o "alarmismo e a falta de confiança" gerados ao nível dos utentes.

A responsável indicou, por outro lado, que Rafael Macedo é "muito empenhado na apresentação de projetos", como foi o caso da Unidade de Medicina Nuclear, mas depois tem "alguma dificuldade" em pô-los em prática e obedecer às regras e procedimentos estabelecidos.

"Está suspenso e vamos deixar correr o processo de uma forma calma e com serenidade", afirmou Tomásia Alves, realçando que o médico terá oportunidade de "repensar o seu posicionamento e retratar-se", embora admita que poderá ter problemas em reconquistar a confiança dos seus pares.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório