Meteorologia

  • 21 JANEIRO 2020
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 13º

Edição

Investigador da PJM afastou-se ao perceber que lhe ocultavam informações

O diretor da Polícia Judiciária Militar disse hoje que o investigador que começou por liderar a investigação ao furto de Tancos, capitão Bengalinha, "sentiu-se compelido" a afastar-se ao perceber que havia informações que lhe foram ocultadas.

Investigador da PJM afastou-se ao perceber que lhe ocultavam informações

Segundo o comandante Paulo Isabel, que tomou posse em 02 de outubro de 2018, o capitão Bengalinha estava a dirigir a investigação desencadeada naquela polícia ao furto de Tancos e tinha a coadjuvá-lo o major Brazão [arguido no âmbito da investigação ao aparecimento do material], entre outros investigadores.

"Entretanto, e até por sugestão do então diretor da PJM [Luís Vieira, que se encontra com termo de identidade e residência], foi de férias nesse período. Como o major Brazão estava a acompanhar, ficou ele com o caso", relatou.

Quando o capitão João Bengalinha regressou de férias, percebeu que "havia diligências que tinham sido feitas que ele desconhecia e ficou com a sensação que não lhe estava a ser passada toda a informação".

"Aí pediu, e também porque tinha estado com processos muito absorventes como o caso dos Comandos [morte de dois recrutas no 127.º curso] para ser afastado dessa investigação", contou Paulo Isabel.

João Bengalinha "sentiu que lhe estava a ser sonegada informação e achou por bem afastar-se do caso", disse.

Ouvido hoje na comissão de inquérito ao furto de matéria militar de Tancos, o comandante da PJM acrescentou que "era hábito" o capitão Bengalinha gozar férias naquele período, frisando que "o que pode ser relevante é ele ter percecionado, quando regressou, que não lhe estava a ser transmitida a informação".

"Não é normal que as pessoas se sintam compelidas a abandonar a investigação", sublinhou.

Em consequência, o major Vasco Brazão passou a chefiar a investigação na PJM e a restante equipa "foi afastada", o que ocorreu "em agosto ou setembro de 2017", antes do reaparecimento do material militar na Chamusca, em 18 de outubro.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos, foi noticiado em 29 de junho de 2017 e parte do equipamento foi recuperado quatro meses depois.

O caso ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do crime.

A comissão de inquérito para apurar as responsabilidades políticas no furto de material militar em Tancos, pedida pelo CDS-PP, vai decorrer até junho de 2019, depois de o parlamento prolongar os trabalhos por mais 90 dias.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório