Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

PS "desmente formalmente" acusações feitas por Marques Mendes

O PS assegurou hoje estar empenhado em que o grupo de trabalho sobre as deslocações e subsídios dos deputados produza resultados, e disse já ter apresentado propostas que enviou por escrito às restantes bancadas.

PS "desmente formalmente" acusações feitas por Marques Mendes
Notícias ao Minuto

17:50 - 25/03/19 por Lusa

País Viagens deputados

Em conferência de imprensa convocada hoje, o deputado e vice-presidente da bancada Pedro Delgado Alves - que representa o PS neste grupo de trabalho - explicou que o objetivo da mesma era "desmentir formalmente" uma acusação feita no domingo à noite pelo antigo líder do PSD Marques Mendes, no seu espaço de comentário na SIC.

"Foi sublinhado que o PS não estaria a ser colaborante e não teria formulado propostas nesta matéria", apontou Pedro Delgado Alves, na Assembleia da República, horas depois de a bancada do PS ter terminado jornadas de proximidade em Portalegre.

"Sentimo-nos na obrigação de sublinhar e de reiterar o nosso compromisso com os trabalhos deste grupo de trabalho", acrescentou.

Pedro Delgado Alves assegurou que o objetivo do PS é que seja alcançado um resultado que "prestigie a Assembleia da República e garanta resposta a todas as questões colocadas", salientando que o grupo de trabalho já se reuniu sete vezes e que vários grupos parlamentares, incluindo o PS, formularam propostas por escrito.

"Nós próprios formulámos por escrito e remetemos a todos os grupos parlamentares representados as nossas propostas e, portanto, foi com alguma surpresa e estranheza que ouvimos um elemento que não faz parte do grupo dar esta nota de que não haveria propostas apresentadas", apontou.

Sobre as matérias em discussão no grupo de trabalho, Pedro Delgado Alves disse não se querer substituir ao coordenador, o vice-presidente da Assembleia da República e deputado do PS Jorge Lacão, lembrando que na próxima quinta-feira haverá uma conferência de líderes extraordinária precisamente para fazer esse ponto de situação.

"Não temos necessariamente de estar acordo em tudo, não estaremos sempre unanimemente com o mesmo entendimento, mas o esforço que estamos a fazer de boa fé deve merecer atenção diferente da contaminação externa que verificámos ontem [domingo]", defendeu.

Questionado se na quinta-feira será feito o balanço final do grupo, Pedro Delgado Alves salientou que "há muitas matérias" em discussão, desde as relativas à identificação da residência dos deputados, aos subsídios de deslocação e questões colocadas pelo Tribunal de Contas.

"Em relação a algumas delas será seguramente um ponto situação, outras já foram objeto de consenso", disse, escusando-se a especificar, até por ainda haver nova reunião do grupo marcada para terça-feira.

Marques Mendes acusou no domingo o PS e o seu líder parlamentar, Carlos César, de tentarem "entravar" o funcionamento deste grupo de trabalho, salientando que Jorge Lacão já tinha apresentado propostas, tal como o PSD.

Questionado sobre o papel do presidente da bancada socialista, Pedro Delgado Alves disse que "obviamente" Carlos César tem conhecimento de todos os trabalhos deste grupo, "como de todos".

"Não estamos minimamente condicionados, procuramos é encontrar respostas para soluções que levantaram dúvidas", afirmou.

A criação do grupo de trabalho, por proposta do Conselho de Administração do parlamento, foi decidida numa reunião extraordinária da conferência de líderes parlamentares, em 5 de dezembro, convocada para discutir o tema das despesas e reembolsos de viagens dos deputados.

Deste grupo de trabalho, fazem ainda parte António Leitão Amaro (PSD), Pedro Filipe Soares (BE), António Carlos Monteiro (CDS), António Filipe (PCP) e José Luís Ferreira (PEV).

Em causa está a duplicação de apoios estatais ao transporte entre o continente e as ilhas aos deputados, além de outras práticas no reembolso de despesas por viagens e deslocações.

No casos das Regiões Autónomas, alguns parlamentares terão beneficiado do subsídio atribuído pelo parlamento, de cerca de 500 euros semanais, e, simultaneamente, do desconto para residentes naquelas regiões, que reduzem substancialmente o preço dos bilhetes.

Recentemente, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, apelou na conferência de líderes a que eventuais alterações legislativas sobre as viagens e subsídios de deputados estejam fechadas até ao próximo 25 de Abril.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório