Meteorologia

  • 22 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 17º

Edição

Nenhum Governo porá "a mão ao tempo de serviço" que professores cumpriram

"Os professores não deixam que Governo algum lhes meta a mão ao tempo de serviço que cumpriram", garante Mário Nogueira à saída da reunião no Ministério da Educação que marcou o recomeço das negociações com os professores.

Nenhum Governo porá "a mão ao tempo de serviço" que professores cumpriram
Notícias ao Minuto

18:13 - 25/02/19 por Melissa Lopes 

País Mário Nogueira

Mário Nogueira, secretário geral da Fenprof, acusou esta segunda-feira o Governo de ser “absolutamente intransigente” nas negociações com os professores e de “nem sequer aceitar discutir aquilo que é obrigado a discutir”. O responsável falava depois de uma reunião com o Governo, que marcou o recomeço nas negociações entre as partes.

Mário Nogueira lembrava aos jornalistas que a norma da Assembleia da República implica que se debata, discuta e negoceie apenas o prazo e o modo e “aquilo que fez foi querer, mais uma vez ignorando o prazo e o modo, cortar seis anos e meio de serviço aos professores”, lamentou. 

De acordo com o sindicalista, do lado do Governo só houve “intransigência” neste encontro.

“É surpreendente que este Governo tenha um senhor primeiro-ministro que ache que intransigência é querer que se cumpra a lei, que ache que intransigência é querer que os professores do continente tenham o seu tempo contado tal qual como os seus colegas dos Açores e da Madeira, que ache que intransigência aquilo que nós defendemos, que se respeite o tempo que se trabalhou”, afirmou Mário Nogueira, acusando o Governo de se ter recusado a olhar para as propostas que os sindicatos apresentaram hoje. 

Face à referida “intransigência”, a Fenprof adianta que as organizações sindicais vão reunir esta terça-feira, pelas 9h30, para avaliar a reunião de esta segunda-feira e para pensar em formas de luta.

“Vamos pensar se vale a pena perder mais tempo em reuniões em que o Governo é absolutamente intransigente e nem sequer aceita discutir aquilo que é obrigado a discutir”, firmou o responsável, garantindo que, no plano da luta, há pelo menos uma “certeza”: “Os professores não deixam que Governo algum lhes meta a mão ao tempo de serviço que cumpriram”.

Sublinhando que a proposta do Governo é “exatamente a mesma” e que “não alterou uma vírgula”, Nogueira realçou que gostaria que o problema fosse resolvido nesta legislatura e que fosse através da negociação com o Governo.

“Percebendo que isso não é possível – e hoje, se alguém ainda tinhas dúvidas, dissipou-as completamente -, esperamos que os partidos e a AR possam cumprir a sua obrigação”, disse, assinalando, ainda assim, esperar que “o Governo possa ainda arrepiar caminho e respeitar a lei”.

O primeiro-ministro, recorde-se, já havia admitido esta segunda-feira algum "pessimismo" em relação às negociações com os professores.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório