Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 20º

Edição

Filho de Arnaldo Matos acusa PCTP/MRPP de "sequestrar" corpo do pai

Um dos filhos de Arnaldo Matos, Pedro Matos, acusou hoje o PCTP/MRPP de ter "montado" um velório e "funeral-sequestro" ao seu pai, recusando participar nas cerimónias fúnebres do político.

Filho de Arnaldo Matos acusa PCTP/MRPP de "sequestrar" corpo do pai
Notícias ao Minuto

09:35 - 23/02/19 por Lusa

País Funeral

Numa nota enviada à Agência Lusa, Pedro Gonçalves Matos, refere que o seu pai "morreu em casa alheia", explicando que depois de "tardiamente avisado" e quando foi ao local para resgatar o corpo, a dirigente Maria Adelaide Teixeira, "do alto dos seus quasi-80 anos, injetada de ódio e envergando pose de guarda de campo de concentração", informou-o da vontade de Arnaldo Matos de ter as cerimónias fúnebres totalmente controladas pelo partido

Segundo Pedro Gonçalves Matos, as palavras que a camarada lhe terá dirigido foram as seguintes: "Temos pena que tenha chegado a isto, mas então é assim: o velório e o funeral são do partido; as cinzas são da família".

O fundador do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) Arnaldo Matos morreu sexta-feira de madrugada, aos 79 anos, vítima de doença.

"Escusado será dizer que não acredito em quem assim fala", refere a nota de Pedro Gonçalves Matos.

"Informo, pois, todos os meus amigos, genuínos amigos de meu pai e amigos de minha mãe - a quem aqui deixo um abraço e um obrigado - de que não estarei presente nos velório e funeral-sequestro montados por Carlos Paisana", dirigente do partido, refere a missiva.

Contactado pela Lusa, Carlos Paisana adiantou que Arnaldo Matos manifestou, "perante o Comité Central do partido, que o seu desejo - quando esta situação foi abordada -, que o seu funeral, quando morresse, seria realizado pelo partido e depois de ser cremado, outro desejo seu, as cinzas seriam entregues à sua família".

Carlos Paisana, acrescentou ainda que Pedro Gonçalves Matos estaria "de relações cortadas com o seu pai há algum tempo", frisando "não fazer sentido a sua atitude", uma vez que, a restante família "esteve ontem [sexta-feira] presente no velório".

Pedro Gonçalves Matos refere ainda na sua missiva que, "independentemente de ser - sempre! - prerrogativa última da família atender, ou não, à vontade do falecido, só cumpriria esse alegado desejo de meu pai - e, nesse caso, jamais deixaria de o cumprir! -, se tal vontade houvesse sido expressa, em algum momento da sua vida, perante algum dos seus dois filhos, irmãos ou até sobrinhos".

"Coisa que, manifestamente, nunca aconteceu", sublinhou.

Arnaldo Matos fundou o Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (MRPP), em Lisboa, na clandestinidade, em 18 de setembro de 1970, juntamente com Vidaúl Ferreira, Fernando Rosas e João Machado.

Fonte do partido adiantou que Arnaldo Matos faria 80 anos no próximo domingo, e que o PCTP/MRPP tinha preparada uma homenagem.

Na nota intitulada "Honra ao camarada Arnaldo Matos" (1939-2019), o PCTP/MRPP diz que a sua obra e o seu exemplo "perdurarão para sempre na memória dos operários e dos trabalhadores portugueses e constituirão um guia na luta do proletariado revolucionário e dos comunistas pelo derrube do capitalismo e do imperialismo e pela instauração do modo de produção comunista e de uma sociedade de iguais".

O corpo de Arnaldo de Matos encontra-se na sede do PCTP/MRPP, Avenida do Brasil 200A, em Lisboa, e o funeral realiza-se domingo, pelas 13:00 para o Cemitério dos Olivais, onde será cremado às 14:00, segundo informação do partido.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório