Meteorologia

  • 19 FEVEREIRO 2019
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 13º

Edição

Nove pessoas acusadas em Leiria de mais de 50 crimes de furto qualificado

O Ministério Público de Leiria acusou nove pessoas de mais de meia centenas de crimes de furto qualificado, detenção de arma proibida, condução sem habilitação legal e recetação, disse hoje a Procuradoria da Comarca de Leiria.

Nove pessoas acusadas em Leiria de mais de 50 crimes de furto qualificado
Notícias ao Minuto

09:58 - 13/02/19 por Lusa

País Ministério Público

O despacho de pronúncia exarado pelo juiz de Instrução Criminal da Comarca de Leiria refere que a um dos arguidos foi imputada a autoria de 40 crimes de condução sem habilitação legal, quatro crimes de furto qualificado, um crime de furto qualificado, na forma tentada, quatro crimes de recetação, um crime de detenção de arma proibida e duas contraordenações.

A uma arguida, a única mulher no processo, foram apontados três crimes de recetação, dois crimes de detenção de arma proibida e duas contraordenações.

Os restantes arguidos são acusados, entre outros, dos crimes de furto qualificado, ameaça agravada, recetação, detenção de arma proibida e várias contraordenações.

O despacho refere que, entre 2013 e 2016, "os arguidos introduziram-se em residências e anexos, instalações de Juntas de Freguesia, barracões de exploração agrícola, uma capela e armazéns", nos concelhos de Ansião, Alvaiázere e Pombal, no distrito de Leiria, e em Ourém e Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém.

"Do interior de tais instalações retiraram vários bens, nomeadamente compressores, rebarbadoras, motosserras, aparelhos de soldar, roçadouras, martelos pneumáticos, geradores, berbequins, máquinas de sulfatar, vários litros de gasóleo, artigos de construção, televisores e veículos automóveis", refere o despacho.

De acordo com o MP, dois dos arguidos estão indiciados de terem efetuado "a análise e reconhecimento de habitações potenciais alvos de furto, estudando as rotinas dos seus ocupantes e, após confirmarem a sua inexistência, procederam ao furto de bens que se encontravam no interior das mesmas".

"Estes dois arguidos abordaram os indivíduos que se deslocaram à sua residência para venderem artigos de proveniência ilícita, informando-os das habitações que conheciam nas áreas limítrofes e que continham ouro, dinheiro e plasmas, disponibilizando-se a participarem com os mesmos na subtração de bens que se encontrassem no interior daquelas, o que fizeram, assim se apropriando dos mesmos", lê-se ainda no despacho.

Os dois primeiros arguidos e uma outra arguida, desde pelo menos o ano de 2013 e até 2016, na sua residência, no concelho de Alvaiázere, "venderam os produtos obtidos com os furtos praticados e compraram vários objetos de origem ilícita, designadamente peças de automóveis, eletrodomésticos, equipamentos diversos, máquinas de construção civil, máquinas de sulfatar em cobre, motosserras e outras máquinas agrícolas, tendo revendido estes últimos por valor superior ao do da aquisição".

Outros dois arguidos "também adquiriram objetos de proveniência ilícita, fazendo da compra e venda dos mesmos forma de obter os seus rendimentos".

Segundo o MP, alguns dos arguidos tinham em seu poder e nas suas residências diversos objetos, tais como armas de fogo, munições, reprodução de armas de fogo, aerossóis, sabres e baionetas.

Entre o dia 24 de outubro de 2014 e o dia 08 de março de 2018, o primeiro arguido conduziu veículos ligeiros na via pública, sem que fosse titular de carta de condução ou qualquer documento que o habilitasse para o efeito.

A investigação, que culminou na acusação, foi realizada pelo Ministério Público no Departamento de Investigação e Ação Penal de Figueiró dos Vinhos, sendo coadjuvado pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Pombal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório