Meteorologia

  • 21 FEVEREIRO 2019
Tempo
MIN 7º MÁX 8º

Edição

João Proença apela a solução "concertada" entre ADSE e grupos privados

O Conselho Geral e de Supervisão da ADSE reuniu-se depois dos grupo José de Mello Saúde e Luz Saúde terem suspendido as convenções com o sistema de saúde dos funcionários públicos nacional.

João Proença apela a solução "concertada" entre ADSE e grupos privados
Notícias ao Minuto

19:34 - 12/02/19 por Natacha Nunes Costa 

País Função Pública

O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE reagiu, esta tarde de terça-feira, às suspensões das convenções com o sistema de saúde dos funcionários públicos por parte do grupo José de Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e Luz Saúde.

De acordo com o presidente do CGS, João Proença, “é fundamental que haja controlo da despesa” na ADSE, um reforço dos "quadros de pessoal”, fiscalizar o cumprimento de faturação e as autorizações prévias para alguns atos médicos. Contudo, destacou o presidente, não é com ruturas com este sistema de saúde, que se vai resolver o problema.

Por essa razão, João Proença apelou ao diálogo entre a ADSE e o grupos privados de saúde para se chegar a uma solução “concertada” para que os grandes prestadores de saúde continuem a prestar serviços em regime convencionados aos beneficiários deste sistema e não em regime de reembolso como pretendem fazer a partir de abril.

Em conferência de imprensa, no final da reunião, João Proença disse ainda que entende algumas preocupações destes grupos privados de saúde, mas que “há outras situações que não dá para perceber, quando está em causa o cumprimento da lei ou das convenções celebradas” e culpa estes grupos pela falta diálogo e de não permitirem que se encontre soluções.

“Deve haver diálogo nas novas tabelas do regime convencionado. Eu diria que não houve um diálogo mais forte no passado porque os prestadores privados não estão interessados neste diálogo com a ADSE a não ser, às vezes, em práticas delatoras”, afirma.

Ao conselho diretivo da ADSE, presidido por Sofia Portela, o CGS pede uma "rápida apresentação de propostas que completem a revisão das tabelas do regime convencionado e de revisão das tabelas do regime livre, no respeito pelo disposto no Decreto-Lei de Execução Orçamental, de maio de 2018".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório