Meteorologia

  • 19 MARçO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Mais de 200 pessoas manifestaram apoio a Guaidó no Funchal

Mais de duas centenas de pessoas concentraram-se hoje na Praça do Município, no Funchal, mostrando ao mundo que "estão do lado" do Presidente interino, Juan Guaidó, e solicitando que Portugal o reconheça.

Mais de 200 pessoas manifestaram apoio a Guaidó no Funchal
Notícias ao Minuto

18:54 - 02/02/19 por Lusa

País Madeira

"Hoje a nível mundial vão saber que estamos, 90% dos venezuelanos do lado correto da história, para alcançar a democracia e liberdade, é do lado de nosso presidente realmente eleito, Juan Guaidó", disse Aura Rodrigues da associação Venexos.

A responsável destacou que a manifestação teve como único objetivo "apoiar o Presidente interino, que é Juan Guido".

"Não é fácil para os venezuelanos traçar este caminho, mas vamos superar e falta pouco", declarou, recordando que "durante a ditadura de Nicolas Maduro morreram cerca de 250 pessoas", 45 das quais em 2019, além de pedir a liberdade de todos os presos políticos naquele país latino-americano.

Depois de ler o nome destas últimas 45 vítimas, os manifestantes observaram um minuto de silêncio e entoaram os hinos da Venezuela e de Portugal.

Aura Rodriguez salientou que os venezuelanos vão "continuar lutando para que ajuda humanitária chegue a quem tem de chegar".

"Queremos agradecer ao Parlamento Europeu por reconhecer Juan Guidó como Presidente interino da Venezuela", enfatizou, solicitando ao "Governo português que, por favor, cumpra e se una ao povo venezuelano, reconhecendo Juan Guaidó como diz a Constituição" venezuelana.

A responsável argumentou que Juan Guaidó "não se autoproclamou", mas "ocupou um posto livre como diz a Constituição" venezuelana.

"A saída de Nicolas Maduro do cargo de Presidente, o reconhecimento de Juan Guaidó como Presidente para que a Venezuela realize eleições livres - o que não pode acontecer numa ditadura - e a abertura de um canal humanitário", foram as pretensões enunciadas por Aura Rodriguez.

À agência Lusa, esta responsável disse que "em breve será a República da Venezuela", perspetivando que muitos dos que saíram do seu país, com a situação resolvida vão querer regressar.

Um dos manifestantes, Tomás Marquez, amarrado com correntes, e que agitava uma bandeira da Venezuela de grandes dimensões, declarou que "hoje ou nos próximos dias elas [correntes] vão rebentar" e o seu país será livre da "ditadura".

Residente há 15 anos na Madeira, referiu que "vai continuar na região, mas o seu coração, está na Venezuela", considerando que o fim da ditadura é "uma questão de horas ou dias".

Uma jornalista lusodescendente, Carolina Mendez, que está na Madeira há apenas quatro meses "devido à situação na Venezuela", assegurou que os venezuelanos vão "continuar a lutar pela democracia no país".

Acompanhada pelos dois filhos, um menino com poucos anos, e uma menina que já nasceu na Madeira, salientou que finalmente o mundo "reconhece Nicolas Maduro como um ditador".

"Acredito que já se resolveu a situação do nosso país, estamos muito perto da liberdade", opinou.

Presente na iniciativa estava também José de Freitas, um madeirense que esteve emigrado mais de 40 anos na Venezuela e regressou há cerca de seis meses à ilha.

Com a voz embargada e lágrimas nos olhos, enfatizou a "esperança que agora é oportunidade de Maduro sair e a Venezuela se equilibrar e voltar a ser o país que era", porque "gostaria de regressar

A sua neta, Maria Vitória, com apenas 10 anos, fez questão de falar para dizer que "adorava aquele lugar [Venezuela], mas agora veio ele [Nicolas Maduro]".

Também Wilmer Mendez está na Madeira "há três meses por causa da crise na Venezuela" e quis mostrar o seu apoio ao Presidente interino Juan Guaidó que está a ser "mundialmente apoiado", opinando que "Maduro não vai abandonar o cargo, está disposto a morrer".

Depois dos discursos, sons de música venezuelana ecoavam na praça do município.

Guaidó convocou para hoje, dia do 20.º aniversário da Revolução Bolivariana, uma grande manifestação, em Caracas e "em redor do mundo", para exigir eleições livres a Nicolas Maduro.

A crise política na Venezuela soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes vivem na Venezuela.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório