Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
18º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Autarca de Santiago do Cacém critica redução de horários em postos da GNR

O presidente da Câmara de Santiago do Cacém (Setúbal) criticou hoje a transformação de dois postos da GNR em pontos de atendimento reduzido e solicitou uma reunião ao Ministro da Administração Interna para tentar "reverter a situação".

Autarca de Santiago do Cacém critica redução de horários em postos da GNR

"Trata-se de postos que funcionavam 24 horas por dia e que passam a horário reduzido, quando a decisão que se devia ter tomado era o reforço do efetivo para permitir o funcionamento alargado e o normal patrulhamento", defendeu o autarca de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, em declarações à agência Lusa.

A redução do horário dos postos da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Alvalade e Ermidas-Sado, no interior do concelho de Santiago do Cacém, no litoral alentejano, entrou em vigor esta quinta-feira.

"Devido à falta de efetivos, os postos passam a funcionar apenas em dias úteis, entre as 09:00 e as 17:00, para atendimento ao público, e fora deste horário quem necessitar de apoio dirige-se ao posto e contacta o comando distrital de Setúbal, através de uma videochamada, que depois faz a ligação ao posto de Santiago do Cacém que se desloca à ocorrência", explicou.

Contudo, de acordo com o município, o destacamento da GNR de Santiago do Cacém está a "uma distância de 26 quilómetros, no caso de Ermidas-Sado, e de 32 quilómetros, no caso de Alvalade".

"Numa primeira fase, os postos vão funcionar com um máximo de quatro efetivos, com um em permanência no posto e os restantes em patrulhamento", esclareceu o autarca.

Manifestando "total desacordo" com a medida, que afeta perto de seis mil habitantes, Álvaro Beijinha solicitou uma reunião "com urgência" ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, para "sensibilizar o governante a recuar na decisão e reforçar os postos da GNR de Alvalade e Ermidas-Sado com mais efetivos".

Segundo a autarquia, a implementação da medida "afeta o serviço público de resposta à segurança da população da zona abrangida, não só de Alvalade e de Ermidas-Sado, mas também de S. Domingos, Vale de Água ou de Abela", no concelho de Santiago do Cacém.

"Estamos a falar de uma zona que é atravessada pelo Itinerário Complementar (IC)1, uma das vias de circulação rodoviária mais importantes do país e onde se verificam muitos acidentes, e por onde passa a linha ferroviária do Sul, outra via de circulação estruturante", alertou.

Considerando tratar-se de "mais um passo para um futuro encerramento definitivo dos postos" da GNR, o autarca admitiu avançar "com outras formas de luta" caso a situação se mantenha "pondo em causa a segurança de pessoas e bens".

"O primeiro passo foi esvaziar de recursos para justificar medidas desta natureza e a seguir avançam com o encerramento destes serviços e, por isso, queremos fazer oposição a esta medida", acrescentou.

Para o final da tarde de hoje está prevista uma concentração, convocada pela Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do concelho de Santiago do Cacém, município e Junta de Freguesia de Ermidas-Sado, para protestar "contra o encerramento" dos postos da GNR e para exigir o aumento de efetivos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório