Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 16º

Edição

Serviço assegurado por helicóptero que caiu reposto nos próximos dias

A empresa à qual o INEM tem contratado o serviço de helitransporte de emergência irá repor nos "próximos dias" o serviço efetuado pelo helicóptero que caiu no sábado em Valongo, avançou à Lusa o Instituto Nacional de Emergência Médica.

Serviço assegurado por helicóptero que caiu reposto nos próximos dias
Notícias ao Minuto

13:39 - 16/12/18 por Lusa

País INEM

De acordo com a informação prestada pela empresa, o serviço será retomado "muito em breve, nos próximos dias", afirma o INEM numa resposta enviada à agência Lusa.

"Importa neste momento tranquilizar as pessoas, recordando que o Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) é redundante e que os meios de emergência disponíveis funcionam numa lógica de complementaridade para prestar sempre uma resposta célere e eficiente a quem precisa de cuidados de emergência médica pré-hospitalar", sublinha.

O INEM explica que, quando algum meio está inoperacional por algum motivo, recorre a outros meios de emergência do Sistema Integrado de Emergência Médica.

Neste caso, o INEM continua a contar com três helicópteros exclusivamente dedicados à emergência médica pré-hospitalar e que, em caso de necessidade, atuam em qualquer ponto do país, "para além da rede robusta de outros meios de Suporte Avançado (Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação), Imediato (Ambulâncias de Suporte Imediato de Vida) e Básico (Ambulâncias do INEM e dos seus parceiros Bombeiros e CVP, e Motociclos de Emergência) de Vida".

O Instituto Nacional de Emergência Médica lamenta ainda "profundamente o sucedido" e endereça "sinceras e sentidas condolências" às famílias das vítimas.

"Este é um momento muito difícil na vida do INEM e de todos os seus profissionais", sublinha.

A queda de um helicóptero do INEM, ao final da tarde de sábado, no concelho de Valongo, distrito do Porto, causou a morte aos quatro ocupantes.

A bordo do aparelho seguiam dois pilotos e uma equipa médica, composta por médico e enfermeira.

A aeronave em causa é uma Agusta A109S, operada pela empresa Babcock, e regressava à sua base, em Macedo de Cavaleiros, Bragança, após ter realizado uma missão de emergência médica de transporte de uma doente grave para o Hospital de Santo António, no Porto.

Este é o acidente aéreo mais grave ocorrido este ano em Portugal, elevando para seis o número de vítimas mortais em acidentes com aeronaves desde janeiro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório