Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Cerca de 200 reclusos da prisão de Santa Cruz do Bispo recusaram jantar

Cerca de 200 reclusos do Estabelecimento Prisional masculino de Santa Cruz do Bispo, em Matosinhos, Porto, recusaram-se hoje a jantar, disse à Lusa fonte da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Cerca de 200 reclusos da prisão de Santa Cruz do Bispo recusaram jantar
Notícias ao Minuto

21:41 - 05/12/18 por Lusa

País DGRSP

"No Estabelecimento Prisional de Santa Cruz do Bispo masculino, de forma absolutamente cordata e ordeira, cerca de 200 reclusos recusaram tomar a refeição do jantar, tendo regressado ordeiramente às celas", afirmou a mesma fonte da DGRSP.

No Estabelecimento Prisional da Covilhã, a diretora, Otília Simões, informou que "houve da parte da população reclusa um pedido de esclarecimento para saber por que não se podia telefonar às famílias".

"Reuni-me com eles [reclusos], expliquei que tem a ver com os serviços estipulados nesta greve", disse Otília Simões, explicando ter assumido o compromisso de expor a situação superiormente.

Segundo Otília Simões, "no estabelecimento ficou tudo calmo, tudo tranquilo e os reclusos regressaram às celas normalmente".

Hoje, mais de metade dos reclusos da prisão de Custóias, no distrito do Porto, recusaram-se a almoçar, obrigando os guardas prisionais a disparar balas de borracha para o ar para repor a ordem, disse à Lusa o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), Jorge Alves.

Segundo Jorge Alves, quando foram chamados para o almoço, os reclusos das alas A, B e C da prisão de Custóias recusaram-se a ir para o refeitório e começaram a arremessar bens que tinham nas celas para os guardas prisionais e a causar distúrbios.

O sindicalista adiantou que a direção da prisão, que tem mais de mil reclusos, deu indicações para serem disparados tiros para o ar para repor a ordem e a normalidade, conseguindo deste modo que os reclusos fossem fechados nas celas à força.

Fonte da Direção-Geral de Reinserção e dos Serviços Prisionais (DGRSP) disse à Lusa que não se tratou de um motim, apenas uma parte substancial dos reclusos não quis almoçar.

Na terça-feira, reclusos da ala A do Estabelecimento Prisional de Lisboa amotinaram-se com gritos, queimaram colchões e papéis e partiram algum material, obrigando os guardas prisionais a "usar a força".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório