Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Disse "aquilo que devia ser dito", afirma Marcelo após visita chinesa

O Presidente português fez hoje um balanço "muito positivo" da visita a Portugal do chefe de Estado chinês e, questionado se não se falou pouco de direitos humanos, defendeu que disse "aquilo que devia ser dito".

Disse "aquilo que devia ser dito", afirma Marcelo após visita chinesa
Notícias ao Minuto

19:05 - 05/12/18 por Lusa

País Presidente

Em declarações aos jornalistas, à saída de uma conferência na Fundação Champalimaud, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi também interrogado sobre a ideia de que há uma presença chinesa excessiva na economia portuguesa e, na resposta, fez alusão às privatizações feitas na legislatura anterior.

"Perante uma decisão que, aliás, não é do meu mandato, é do mandato do meu antecessor e é do Governo anterior, acho que as relações que têm existido nos domínios de cooperação económica e financeira têm sido úteis para Portugal e importantes para Portugal, quer internamente, quer na projeção no mundo", considerou.

Quanto à visita de Estado de Xi Jinping, que começou na terça-feira e terminou hoje à tarde, o Presidente português afirmou: "Penso que o saldo global é muito positivo, porque se falou com franqueza, porque foram muitos os acordos que foram celebrados e porque há neste mundo multipolar uma colaboração que pode e deve haver".

Em seguida, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que Portugal tem "aliados", uns mais antigos e outros menos, e depois tem "amigos que não são aliados, mas podem ser parceiros", como a China.

"Nós sabemos distinguir entre aliados e amigos parceiros e sabemos colaborar com uns e com outros", acrescentou.

Questionado se não se falou pouco de direitos humanos durante esta visita, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "No que me toca, eu disse aquilo que achei que era importante dizer".

O chefe de Estado lembrou que, quer nas declarações conjuntas com o Presidente da China, no Palácio de Belém, quer no jantar oficial no Palácio Nacional da Ajuda, falou dos "pontos de convergência" entre os dois países no quadro internacional, dizendo que "devem passar pelo multilateralismo, pela paz, pela segurança".

"Pelo respeito do direito internacional, pelo respeito dos direitos humanos, pelo respeito do Estado de direito e pela afirmação da vivência democrática", completou Marcelo Rebelo de Sousa, concluindo: "Portanto, disse aquilo que devia ser dito",

Segundo o Presidente da República, Portugal tem na China "um amigo e parceiro para o futuro".

"O que não impede de termos aliados, como é o caso dos nossos aliados na União Europeia, dos nossos aliados na Aliança Atlântica e dos nossos aliados na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. São dois planos que se podem conjugar, são diferentes", frisou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório