Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Serviços prisionais fazem formação para prevenir suicídios nas prisões

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) vai realizar o primeiro curso de formação destinado a ajudar os guardas prisionais a intervir em situações de suicídio e tentativa de suicídio em meio prisional.

Serviços prisionais fazem formação para prevenir suicídios nas prisões
Notícias ao Minuto

13:52 - 22/11/18 por Lusa

País DGRSP

A formação, que tem como público-alvo comissários e chefes dos estabelecimentos prisionais, vai ser ministrada por técnicos de saúde mental e psiquiatria e acontece a 27 de novembro no Hospital Prisional de São João de Deus, em Caxias, concelho de Oeiras.

Fonte da DGRSP avançou à Lusa que se trata do primeiro curso de formação nesta área e é uma reivindicação antiga do corpo da guarda prisional.

A mesma fonte referiu que a DGRSP vai realizar cursos idênticos em outras zonas do país, sendo o primeiro destinado ao corpo da guarda prisional da região de Lisboa.

Segundo aquele organismo tutelado pelo Ministério da Justiça, esta formação tem por objetivo "dotar os formandos de competências na área da intervenção nas situações de risco de suicídio e tentativa de suicídio em meio prisional, identificar fatores de risco e uniformizar critérios de atuação".

Durante esta ação, os formandos vão ficar a conhecer os comportamentos auto lesivos, refletir sobre a epidemiologia do suicídio e reconhecer fatores protetores e estratégias para a prevenção do suicídio.

Fazem ainda parte do programa do curso a identificação de fatores e comportamentos de risco e saber como atuar em caso de suicídio consumado ou tentativa de suicídio.

Segundo o último Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), 15 reclusos suicidaram-se em 2017, mais seis do que em 2016.

O RASI indica que os valores de suicídios nas prisões portugueses "confirmam o padrão registado nos últimos anos".

Desde 2010 que está em vigor em todos os estabelecimentos prisionais o Programa Integrado de Prevenção do Suicídio (PIPS), que assenta na dupla vertente de deteção precoce de sinais e de sintomas de alerta, risco de suicídio em reclusos entrados e na sinalização eficiente para presos em cumprimento de pena privativa de liberdade.

A sua operacionalização implica articulação próxima entre os setores de vigilância, da educação e da saúde que discutem, periodicamente, os casos sinalizados em sede da "equipa de observação permanente", que existe em cada estabelecimento prisional.

Dados da DGRSP indicam que a população prisional totalizava, a 15 de novembro, 12.806 reclusos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório