Meteorologia

  • 13 DEZEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 16º

Edição

Mais de 1,2 milhões de mortes na UE em 2015 eram evitáveis

Mais de 1,2 milhões de mortes podiam ter sido evitadas nos países da União Europeia em 2015 através de melhores políticas públicas de saúde ou de cuidados de saúde atempados e efetivos, estima um relatório hoje divulgado.

Mais de 1,2 milhões de mortes na UE em 2015 eram evitáveis
Notícias ao Minuto

12:15 - 22/11/18 por Lusa

País OCDE

A OCDE divulgou hoje o seu relatório anual sobre a saúde -- "Health at a Glance" -- no qual estima que 1,2 milhões de pessoas morreram em 2015 de doenças ou problemas que podiam ter sido evitados por "medidas públicas de saúde mais fortes" ou através de tratamentos mais efetivos e atempados.

O documento recorda que ressurgiram, em algumas zonas da Europa, doenças que são evitáveis através da vacinação, como o sarampo, o que veio alertar para a "importância de promover a efetiva vacinação de todas as crianças".

Só em 2016, estima-se que nos países europeus tenham morrido prematuramente 790 mil pessoas devido a maus hábitos de vida: tabaco, consumo excessivo de álcool, alimentação pouco saudável e falta de atividade física.

Para a OCDE, as políticas do controlo de álcool têm alcançado progressos na redução do consumo geral em vários países, apontando para uma queda de 10% na última década, mas o consumo pesado de álcool continua a ser "um problema entre adolescentes e adultos".

Segundo o relatório, quase dois em cada cinco adolescentes de todos os países da União Europeia relataram ter apanhado pelo menos uma "bebedeira" no mês anterior, um facto que também foi relatado por mais de dois em cada cinco jovens entre 20 e 29 anos.

O uso de drogas ilícitas também continua a ser "um importante problema de saúde" na Europa.

"Embora o uso de algumas drogas tenha diminuído, a canábis continua a ser usada com frequência entre os jovens e o uso de cocaína está a aumentar em vários países", sublinha o documento.

O relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico destaca que foram realizados na Europa muitos progressos nos tratamentos de doenças cardiovasculares e do cancro, destacando nas doenças oncológicas que as taxas de sobrevivência nunca foram tão elevadas.

Acerca da pressão que os sistemas de saúde vão enfrentar, o relatório indica que o envelhecimento da população deve ser tido em conta e recorda que a despesa em saúde representava em 2017 9,6% do PIB na União Europeia no seu conjunto, quando e 2008 esse valor era de 8,8%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório