Meteorologia

  • 19 DEZEMBRO 2018
Tempo
MIN 7º MÁX 11º

Edição

"Paramos a greve quando percebermos que nos ouvem"

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) declarou-se hoje disponível para parar a greve que se inicia na terça-feira quando "perceber que é ouvida" e houver um compromisso "assumido e claro" de resolver os problemas da classe.

"Paramos a greve quando percebermos que nos ouvem"
Notícias ao Minuto

12:19 - 19/11/18 por Lusa

País juízes

"Estamos determinados, mas somos responsáveis. Até hoje à noite podemos desconvocar a greve se houver um compromisso assumido e claro de resolver os problemas que existem, que são de natureza remuneratória -- não escondemos isso, nem temos vergonha de dizer isso --, mas que também não são só dessa natureza", afirmou o presidente da ASJP, Manuel Soares.

"Se isso não acontecer, vamos fazer o caminho que aprovámos, com determinação, mas sempre disponíveis para falar. Disse à senhora ministra que paramos no dia em percebermos que nos ouvem", acrescentou o presidente da ASJP, que falava aos jornalistas após reunir-se, no Porto, com magistrados judiciais, no âmbito do dia nacional de reflexão sobre o Estatuto dos Magistrados Judiciais (EMJ).

Até ao momento, segundo Manuel Soares, as conversas que existiram com o Governo giraram todas em torno de "uma proposta inaceitável".

A proposta, conforme especificou, resolvia alguns problemas dos juízes que estão em funções, mas não os dos que entrassem na carreira, que "passavam a terem vencimentos de 15 a 20% inferiores".

"Resolvia um problema hoje, mas criava outro para o futuro", sintetizou.

O dia nacional de reflexão sobre o EMJ tem iniciativas repartidas no Porto, Lisboa e mais sete cidades portuguesas, na véspera do primeiro dia de greve dos magistrados judiciais.

Inclui encontros com juízes de todas as instâncias e jurisdições, no ativo e jubilados, presidentes dos tribunais superiores e juízes em comissões de serviço judiciais e não judiciais.

Neste dia, todos os magistrados judiciais são convidados a subscrever uma petição pública coletiva, dirigida ao Presidente da República, Assembleia da República e Governo, "de protesto pela grave falta de respeito institucional a que os juízes foram votados no processo de revisão do EMJ e de exigência que seja reposta a normalidade no relacionamento institucional" com a classe.

De acordo com um pré-aviso entregue no Conselho Superior da Magistratura, os juízes portugueses iniciam na terça-feira uma greve de 21 dias intercalados, para as quais o presidente da ASJP espera uma adesão "ao mesmo nível da anterior", ocorrida há 13 anos.

Terça-feira será o único dia em que todos os tribunais são abrangidos pela paralisação.

Já as paralisações parciais estão agendadas para 21, 28, 29, 30 de novembro, 3 a 7 de dezembro, 23 de janeiro, 22 de fevereiro, 15 de março, 8 de abril, 9 de maio, 26 de junho, 9 de julho, 11 de setembro e três dias a determinar em outubro.

Questionado sobre expectativas de agressão à greve, o presidente da ASJP disse: "Sinto que há muita mobilização. Estou absolutamente convencido de que os juízes vão dar um sinal claríssimo de que estão desagrados".

No aviso prévio de greve, a ASJP referiu que ficou "em causa a normalidade do relacionamento institucional com os juízes" devido à "indisponibilidade da ministra da Justiça para discutir com os juízes todas as matérias relevantes do EMJ" e à "violação, pelo grupo parlamentar do PS, do compromisso assumido perante os juízes, em 19 de setembro de 2017, de reabrir essa discussão no parlamento".

A ASJP, que tem 2.300 associados, alega que, sendo o EMJ "uma lei fundamental para a organização e equilíbrio dos poderes do Estado, para a Justiça e para a garantia do direito fundamental de acesso a um tribunal independente" devia ter sido objeto de um "processo participado, com efetiva consulta de quem legitimamente representa os juízes".

Entende a associação sindical que os juízes "não podem aceitar que se aprove um estatuto incompleto, que não assegure de forma adequada o aprofundamento da independência judicial nem resolva bloqueios na carreira com quase três décadas, prolongando, com custos sociais desnecessários, um conflito que se arrasta há demasiado tempo".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório