Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 15º

Edição

Metade dos refugiados em Portugal deixaram de precisar de apoios extra

Quase metade dos refugiados que Portugal acolheu desde dezembro de 2015 deixou de precisar de apoios complementares quando o seu período de acolhimento institucional terminou, o que, para o Governo, revela o sucesso dos programas de acolhimento.

Metade dos refugiados em Portugal deixaram de precisar de apoios extra
Notícias ao Minuto

12:54 - 17/11/18 por Lusa

País Governo

Os ministros da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita, salientaram hoje, em comunicado conjunto, o trabalho que o país tem feito no acolhimento de refugiados, sublinhando que Portugal "tem sido reconhecido nacional e internacionalmente" pelas respostas ao fluxo de migrantes e requerentes de asilo.

No âmbito do Programa de Recolocação da União Europeia, que decorreu entre dezembro de 2015 e março deste ano, Portugal acolheu 1.552 refugiados, que vivem atualmente em 99 municípios.

Todas as pessoas acolhidas tiveram direito a apoios sociais para alojamento e alimentação, assim como acesso a cuidados de saúde gratuitos e, no caso de serem crianças, acesso à educação.

Apoio jurídico, apoio de intérprete e acesso a programas e medidas de emprego e formação profissional são outros dos direitos previstos na lei.

Segundo um levantamento recente, "48% dos cidadãos em idade ativa estão integrados em formação profissional, ensino superior ou emprego", salientam os governantes no comunicado.

Outro indicador que permite aferir o sucesso dos processos de acolhimento é o facto de quase metade (42%) das pessoas que terminaram o período de acolhimento institucional se terem autonomizado, "não necessitando de quaisquer apoios complementares", sublinham.

Além disso, 96% teve ou tem acesso a aulas de língua portuguesa através de projetos que contam com a participação de várias organizações.

A Plataforma PortuguêsOnline, por exemplo, chegou a 8.108 pessoas de 162 nacionalidades, nomeadamente oriundas da Síria, Eritreia e Iraque.

Com o fim do Programa de Recolocação, em março deste ano, Portugal aderiu, entretanto, ao Programa Voluntário de Reinstalação, tendo-se já comprometido a acolher mil pessoas.

Em julho, uma equipa do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) "esteve no Egito para entrevistar os primeiros candidatos, de entre o grupo de mais de mil pessoas que serão reinstaladas em Portugal", refere o comunicado conjunto.

No ano passado, Portugal acolheu 171 cidadãos no âmbito do processo de reinstalação e recebeu, nesse mesmo ano, 1.008 pedidos de proteção internacional espontâneos realizados no país.

Paralelamente, "o nosso país tem respondido a todas as situações de emergência que resultam dos resgates de migrantes no Mediterrâneo", sublinham ainda os responsáveis, lembrando que este ano chegaram a Portugal 86 pessoas na sequência de resgates de navios humanitários.

Os governantes lembram ainda que Portugal foi também o primeiro país da União Europeia a assinar, em setembro, um Acordo Bilateral com a Alemanha sobre movimentos secundários de requerentes de asilo, estando já em curso em acordo semelhante com a Grécia.

No caso da Grécia, o Governo já assumiu o compromisso de receber, numa primeira fase, cem refugiados que estão em campos naquele país.

"Esta prioridade que o nosso país atribuiu à chamada "crise dos refugiados" e o esforço que tem sido feito quer por parte do Governo, quer de todas as entidades envolvidas no acolhimento, tem sido elogiado por vários organismos internacionais", sublinham os responsáveis.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório