Meteorologia

  • 11 DEZEMBRO 2018
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 12º

Edição

Marinha "faz milagres" com os recursos que tem, diz ministro

O ministro da Defesa Nacional visitou hoje Base Nacional de Lisboa, no Alfeite, em Almada, e referiu que a Marinha Portuguesa "faz milagres" com os recursos que tem disponíveis, avançando que esta área vai receber novos navios.

Marinha "faz milagres" com os recursos que tem, diz ministro
Notícias ao Minuto

14:36 - 14/11/18 por Lusa

País Defesa

"Naturalmente que os recursos são sempre escassos face aos nossos desejos, mas um elemento que ficou extremamente claro para mim, é que a Marinha Portuguesa faz milagres com os recursos que existem. Nós temos uma capacidade de intervenção, de proteção, de contribuir para a missão das Forças Armadas Portuguesas que é absolutamente notável", sublinhou João Gomes Cravinho em declarações aos jornalistas no Alfeite, onde ficou a conhecer as medidas de segurança e vigilância adotadas na Marinha.

Um aspeto que chamou à atenção do ministro, segundo referiu, foi o orçamento na ordem dos 65 milhões de euros, em 2019, para as forças nacionais, em que "só a Marinha teria capacidade para missões na ordem dos 40 milhões de euros".

"A capacidade da Marinha é superior àquilo que é a sua utilização e, por isso, dá-nos pena de não haver mais recursos para utilizar em pleno as capacidades, mas por outro lado, dá-nos também algum alento pelas capacidades que a Marinha Portuguesa nos oferece", explicou.

Quanto à necessidade de obras e modernização desta força, João Gomes Cravinho, informou que a Lei de Programação Militar, que irá ser aprovada por um período de 12 anos, oferece "um conjunto de novas oportunidades", em que a Marinha "será um dos maiores beneficiados".

"Iremos ter seis navios-patrulha oceânicos, iremos ter um navio polivalente logístico pela primeira vez, que nos oferece capacidades completamente novas e iremos ter um conjunto de modernizações de diferentes navios. Os recursos são sempre inferiores ao que gostaríamos, mas a Marinha Portuguesa ao longo dos próximos anos continuará a ser dotada dos meios necessários para cumprir a sua missão", garantiu.

Por outro lado, em relação à falta de efetivos, o ministro da Defesa indicou que este é um desafio que "se coloca à Marinha, como se coloca a outros ramos, e como se coloca à generalidade das Forças Armadas dos países europeus", revelando que é um tema ao qual se vai dedicar.

"É um tema ao qual eu vou dedicar muita atenção, como recrutar mais e melhor, como reter mais e melhor os efetivos nas nossas forças armadas. O chefe do Estado Maior da Armada já me deu algumas indicações sobre procedimentos melhorados na Marinha para recrutar e reter efetivos e este é um caminho que vamos ter que fazer", sublinhou.

Quando questionado sobre a posição do Governo quanto à criação de um exército europeu, o ministro assumiu que "Portugal não está interessado e não participará".

"Há uma resolução muito clara sobre essa matéria por parte da Assembleia da República e, enquanto essa resolução estiver lá, essa será a posição de Portugal. Devo no entanto dizer que, nas reuniões em que participei, o assunto não estava em cima da mesa. Exceto pela negativa, em que eu, como ministro português, e outros ministros de outros países disseram que não participariam em tal exercício", afirmou.

Com esta deslocação do ministro da Defesa hoje à Marinha e na sexta ao Exército, incluindo aos paióis de militares, o tutelar da pasta pretende inteirar-se das medidas de segurança e vigilância adotadas na sequência do furto de Tancos.

Nesse sentido, esta deslocação de hoje incluiu os paióis militares do Marco do Grilo, na Marinha, um momento fechado à comunicação social.

Nas cerimónias do Dia do Exército, em Guimarães, em outubro, João Gomes Cravinho disse que é "fundamental ter a garantia de que as lições foram aprendidas" e, desde essa altura, tem repetido que está a avaliar com as chefias militares as medidas que foram tomadas na sequência do furto de Tancos, nomeadamente o reforço da segurança física das instalações, os investimentos em infraestruturas, em sistemas de videovigilância e inventariado.

Entre o material de guerra furtado incluem-se granadas, explosivos e munições que vieram a aparecer, com algumas faltas, cerca de três meses e meio depois, na Chamusca, numa operação da Polícia Judiciária Militar (PJM), que foi alvo de um inquérito judicial e levou à constituição de nove arguidos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório