Meteorologia

  • 19 ABRIL 2019
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Problemas nos eixos de controlo podem explicar emergência do avião

A companhia aérea Air Astana disse hoje que informações iniciais apontam para que problemas nos eixos do controlo tenham estado na origem da aterragem de emergência do avião em Beja.

Problemas nos eixos de controlo podem explicar emergência do avião
Notícias ao Minuto

09:42 - 12/11/18 por Lusa

País Air Astana

A "aeronave apresentava desvios de estabilidade do eixo longitudinal ('roll-axis', no original)", segundo as indicações iniciais, disse fonte oficial da companhia do Cazaquistão, em resposta à agência Lusa.

No domingo, um avião da Air Astana, que descolou de Alverca às 13:21 e que declarou emergência, esteve algum tempo a sobrevoar a região a norte de Lisboa e o Alentejo, numa trajetória irregular, antes de ter sido tomada a decisão de o Embraer da companhia do Cazaquistão aterrar no aeroporto de Beja, o que aconteceu às 15:28, à terceira tentativa.

Na resposta à Lusa, a transportadora referiu que o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) "vai controlar as ações" da investigação, enquanto o fabricante do avião, a Embraer, "será envolvido e consultado de perto".

À questão da Lusa sobre responsabilidades neste processo, a companhia sublinhou estar, atualmente, "focada em apoiar a investigação formal pelo GPIAAF".

"Qualquer comentário a esse respeito seria inapropriado", acrescentou a mesma fonte.

Em conferência de imprensa, no domingo à noite, o comandante da Base Aérea N.º 11 informou que a aeronave Embraer E190, que efetuou durante a tarde a aterragem de emergência bem-sucedida em Beja, permanecia na base a aguardar reparação.

Nesta aeronave da companhia aérea Air Astana (do Cazaquistão) seguia uma tripulação de seis pessoas, tendo o coronel piloto-aviador Fernando Costa revelado que estes elementos "estavam a ser inquiridos pelo gabinete de prevenção de acidentes civil e já tinham terminado toda a parte de identificação pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras".

O comandante da BA11 confirmou que dois elementos da tripulação foram "encaminhados para o Hospital de Beja porque não se sentiriam muito bem", devido a "todo o stress", mas não apresentavam "nada de especial".

Os dois tripulantes, um homem de 37 anos, do Cazaquistão, e outro de 54, natural de Inglaterra, revelou à Lusa fonte hospitalar, já tiveram, entretanto, alta do Hospital José Joaquim Fernandes.

Fonte do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) tinha revelado já ter mobilizado para Beja uma equipa para iniciar a investigação.

O avião, escoltado por dois caças F-16 da FAP, efetuou a aterragem após declarar uma emergência, devido a uma "falha crítica nos sistemas de navegação e controlo de voo", disse à Lusa fonte aeronáutica.

O voo KZR 1388 descolou de Alverca às 13:21 e tinha como destino Minsk, capital da Bielorrússia.

A aeronave tinha "concluído trabalhos de manutenção" na OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca, confirmou esta empresa, que informou estar "a colaborar com as autoridades aeronáuticas na investigação" das causas do incidente.

O avião, disse a OGMA, "aterrou em segurança, sem danos materiais ou físicos".

Durante a emergência, segundo uma fonte aeronáutica contactada pela Lusa, as autoridades chegaram a equacionar a possibilidade de a aeronave fazer uma amaragem no rio Tejo, mas as condições atmosféricas não o permitiram.

A mesma fonte disse à Lusa que o piloto foi recuperando com o tempo alguns dos instrumentos que tinham avariado, o que lhe permitiu aterrar em Beja.

As OGMA são detidas em 65% pela Embraer e em 35% pelo Estado português.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório