Meteorologia

  • 21 NOVEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Professores escrevem a deputados. Proposta de Orçamento é “inadmissível”

Luta continua acesa, sendo esta apenas uma das formas de protesto, destaca a Federação Nacional de Professores (Fenprof). Docentes tentam agora apelar à compreensão dos deputados que são também professores.

Professores escrevem a deputados. Proposta de Orçamento é “inadmissível”
Notícias ao Minuto

15:16 - 22/10/18 por Melissa Lopes 

País Fenprof

Os professores continuam o caminho de luta pela recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço a que reclamam ter direito. 

Em forma de protesto, os docentes estão a enviar mails a todos os deputados que são docentes e respetivos grupos parlamentares, e começam por lembrar que “a Educação, as escolas e os professores são fundamentais para o futuro do país”. “Esquecer isto e manter um Orçamento do Estado que o ignora é contrário ao interesse de Portugal e dos portugueses”, pode ler-se na missiva. 

Na carta, que é mais uma das formas de protesto, os docentes dizem considerar o Orçamento para 2019 “inadmissível” por excluir “medidas destinadas a resolver os principais problemas que afetam as escolas e os professores”.

“Enquanto docente, considero inaceitável que a proposta de OE não preveja, sequer, iniciar a devolução integral de todo o tempo de serviço relativo aos períodos de congelamento (9 anos, 4 meses e 2 dias), tempo que cumpri no exercício da minha atividade profissional", contestam, em nome pessoal, sublinhando ainda que não se revêem  numa proposta que "nada prevê para a regularização dos horários de trabalho ilegais que são impostos aos professores ou para dar um efetivo combate à precariedade que continua a afetar fortemente a profissão docente". 

"Entendo, também, que face ao comprovado envelhecimento dos profissionais docentes, o Orçamento do Estado para 2019 deverá prever medidas que alterem a situação, designadamente ao nível da aposentação. A proposta de OE para 2019 também passa ao lado dos problemas das escolas e ainda os poderá agravar, caso se concretize o processo de transferência de competências (municipalização) para as câmaras municipais", lê-se por fim na carta que a Fenprof fez chegar às redações em comunicado, esta segunda-feira. 

Recorde-se que o Governo aprovou, em Conselho de Ministros, o decreto de lei que define a recuperação de apenas dois anos e 18 dias do tempo de serviço dos docentes, facto que veio aumentar a contestação. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório