Meteorologia

  • 19 MARçO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

CEMFA reconhece "casos muito graves" mas rejeita "condenação precipitada"

O Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) admitiu que os casos em volta do furto de armamento de Tancos "são todos muito graves", mas defendeu o "adequado apuramento dos factos, antes de uma condenação pública precipitada".

CEMFA reconhece "casos muito graves" mas rejeita "condenação precipitada"
Notícias ao Minuto

11:01 - 22/10/18 por Lusa

País Tancos

Entrevistado pelo jornal Correio da Manhã, o almirante Silva Ribeiro abordou pela primeira vez publicamente o caso do furto e reaparecimento de armamento dos paióis de Tancos para manifestar a convicção de que a confiança nas Forças Armadas não será afetada.

"Estou convicto de que os portugueses têm confiança e orgulho nas Forças Armadas e não confundem tais situações e os presumíveis implicados com uma instituição estruturante da Nação, onde, por mais difíceis que sejam as situações, prevalecem sempre os princípios da virtude e da honra, e os valores da disciplina, da lealdade, do zelo, da honestidade e da responsabilidade", sublinhou.

Depois de recordar que "são estes princípios e valores" que "dão reputação e prestígio às Forças Armadas", Silva Ribeiro assinalou que "as suas violações são graves e implicam consequências para quem as pratica".

O CEMGFA salientou que, em conjunto com os outros chefes militares, garantirá que "todos os militares cumprem escrupulosamente os seus deveres" e a "mostrar o extraordinário serviço que as Forças Armadas fazem ao serviço de Portugal".

Silva Ribeiro escusou-se a comentar a demissão do anterior ministro da Defesa Nacional, na sequência do caso de Tancos, embora realçando que o relacionamento com Azeredo Lopes "foi sempre muito cordial".

Sobre as medidas tomadas após o furto, o CEMGFA referiu o melhoramento do sistema de deteção eletrónica do Marco do Grilo (paióis da Marinha).

Quanto à perda de uma caixa de munições na rua, Silva Ribeiro respondeu: "A Marinha, de imediato, instaurou um processo de averiguações para apurar as razões e as responsabilidades associadas a este grave incidente".

"Foi identificada matéria suscetível de configurar infração disciplinar, que prossegue os trâmites legais previstos. Sei também que a Marinha já pôs em prática medidas destinadas a evitar que uma situação semelhante volte a ocorrer", acrescentou.

Sobre o facto de ser um almirante da Marinha a chefiar as Forças Armadas, Silva Ribeiro frisou: "Comigo as Forças Armadas serão sempre encaradas como um todo, considerando os assuntos relevantes com equidade, transparência e consensos, beneficiando do clima de grande confiança, respeito institucional e consideração pessoal que existe entre os chefes militares".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório