Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 16º

Edição

Taxistas vão continuar concentrados na avenida dos Aliados

Os taxistas em protesto no Porto vão continuar concentrados na avenida dos Aliados, disse hoje o dirigente de uma das associações que os reapresentam, que apelou à mobilização também das famílias para domingo.

Taxistas vão continuar concentrados na avenida dos Aliados
Notícias ao Minuto

21:52 - 22/09/18 por Lusa

País Porto

Segundo José Monteiro, os taxistas estão "na expectativa" de serem recebidos pelo primeiro-ministro e, depois de os dirigentes de duas associações terem sido hoje recebidos pela Presidência da República, a decisão foi "não desmobilizar" e manter os protestos que estão em curso pelo quarto dia consecutivo em Lisboa, Faro e Porto.

"Estamos na expectativa de ser recebidos o mais rápido possível pelo primeiro-ministro para desbloquear a situação", disse José Monteiro aos taxistas concentrados na avenida dos Aliados, acrescentando: "Parece-me que o diálogo se vai estabelecer".

"As direções [das associações] pedem para ficarmos vigilantes", afirmou ainda.

O dirigente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) apelou depois à mobilização para domingo.

"Quantos mais formos, mais força teremos. (...). Amanhã estamos autorizados a trazer mesas e cadeiras e a trazer piqueniques para podermos passar o tempo de forma divertida e alegre. Tragam as famílias, porque o dia vai ser longo", afirmou.

Os taxistas estão em protesto desde quarta-feira, com concentrações em Lisboa, Porto e Faro, contra a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as quatro plataformas eletrónicas de transporte em veículos descaracterizados que operam em Portugal -- Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.

No quarto dia de protesto, uma delegação composta pelo presidente da ANTRAL, Florêncio de Almeida, e pelo presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, foi recebida na Presidência. Os responsáveis chegaram a Belém cerca das 18:55 e foram recebidos pelo chefe da Casa Civil, Fernando Frutuoso de Melo, tendo a reunião durado cerca de 50 minutos.

Os dirigentes das associações entregaram depois uma carta no gabinete do primeiro-ministro no Terreiro do Paço, em Lisboa, a pedir uma intervenção com urgência para resolver as suas reivindicações.

A seguir, comunicaram aos seus associados concentrados nos Restauradores, em Lisboa, o resultado do encontro com o chefe da Casa Civil do Presidente da República e a continuação do protesto "até que haja uma solução".

À agência Lusa, Carlos Ramos explicou que é necessária uma intervenção urgente do primeiro-ministro, António Costa, e afirmou não quererem a participação nem do ministro nem do secretário de Estado do Ambiente, porque estes dois governantes "são o problema e não a solução".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório