Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2018
Tempo
34º
MIN 32º MÁX 36º

Edição

"Nos primeiros segundos estava calmo, mas depois parecia que não parava"

Dois portugueses que estavam em Bali no momento do sismo que abalou a Indonésia e que causou, pelo menos, 98 mortos recordam ao Notícias ao Minuto os momentos de pânico e apreensão que se seguiram ao intenso terramoto. Cerca de 20 portugueses estão a ser retirados das ilhas Gili e terão apoio da Embaixada Portuguesa em Jacarta.

"Nos primeiros segundos estava calmo, mas depois parecia que não parava"
Notícias ao Minuto

19:52 - 06/08/18 por Pedro Bastos Reis 

País Indonésia

O último balanço dá conta de 98 mortos e cerca de 270 feridos na sequência do sismo de magnitude 7 na ilha de Lombok, na Indonésia, mas as autoridades admitem que o número posso vir a subir nas próximas horas.

Em certas localidades, mais de metade das casas ficaram destruídas ou estão seriamente danificadas pelo sismo de domingo. As autoridades falam em “danos massivos”.

O grave sismo do último domingo não vitimou turistas portugueses, como confirmou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, mas muitos cidadãos nacionais sentiram o susto que o terramoto de magnitude 7 na escala de richter causou.

É o caso de David Alves, que se preparava para abandonar Bali no momento em que a terra tremeu com grande intensidade. “Houve um pequeno abalo inicialmente, mas depois senti o chão a tremer com muita força”, recorda ao Notícias ao Minuto o funcionário de recursos humanos da Shell, de 28 anos, atualmente a trabalhar em Manila, nas Filipinas.

David Alves esteve alguns dias de férias na Indonésia e, já no aeroporto, quando se preparava para regressar a Manila, relembra os primeiros momentos de relativa calma que rapidamente passaram a pânico e apreensão. 

“[O sismo] durou uns 15 segundos. Nos primeiros cinco, até estava calmo, mas depois parecia que não parava. Comecei a ficar assustado”, descreve. Durante esse tempo, viu os momentos de pânico no aeroporto de Bali, com “crianças a gritar” e “pessoas a chorar”, apesar de o sismo não ter causado danos no local.

Realçando o facto de o aeroporto “estar bem preparado” para este tipo de situação, David não deixa de notar a falta de comunicação que sentiu perante um sismo daquela magnitude.

“Tudo o que precisava de saber, soube porque pesquisei na internet. Houve um aviso de risco de tsunami e no aeroporto ninguém disse nada”, lamenta. “Fiquei um pouco assustado quando vi o alerta de risco de tsunami, porque o aeroporto está junto ao mar e numa zona baixa”, recorda.

O alerta de tsunami foi emitido pelo governo da Indonésia, mas o pior cenário acabou por não acontecer. Momentos após o sismo, o avião que levaria David de volta para Manila partiu, como estava previsto.

“Assim que o sismo parou, as coisas continuaram normalmente. Continuaram a fazer os check-in, os restaurantes continuaram a servir. Nada mudou”, conta.

Portugueses estão a ser retirados

Durante o sismo de domingo, estavam cerca de 20 cidadãos portugueses na Indonésia. A secretaria de Estado das Comunidades Portugueses revelou esta segunda-feira que os turistas estão a ser retirados das ilhas Gili em embarcações do governo indonésio.

Num documento citado pela agência Lusa, o gabinete governamental refere que “chegados a Bali, os portugueses terão o apoio do encarregado da secção consular da Embaixada de Portugal em Jacarta”, sendo que “cerca de duas dezenas de cidadãos portugueses” estão “a caminho de Lombok e Bali”.

Em declarações ao Notícias ao Minuto, um dos portugueses que estava a passar férias na Indonésia, refere que o seu plano inicial era ir para Gili, mas a viagem acabou por ser cancelada devido ao sismo. 

Apesar de notar que, ao que tudo indica, a ilha está acessível, seja por barco ou avião, este funcionário público, de 42 anos, admite que não pretende correr o risco, até porque uma viagem num barco de maior porte poderá levar"cerca de 10 horas", isto é, 20h no total, para ir e vir.  "Entendemos que não se justificava ir na embarcação maior porque a viagem de ida e volta duraria quase um dia e de avião, devido à passagem em Lombok seria muito arriscado". 

Para além disso, sublinha, soube que vários turistas na ilha de Gili estavam a ser retirados do local, “o que indica perigo”. Por isso, até ter garantias de segurança, vai ficar por Bali. “Não vamos arriscar”, assegura.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório