Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

"A tauromaquia contribui com muitos milhões para o erário público"

O porta-voz da Pró-Toiro, Federação Portuguesa de Tauromaquia, garante que o futuro do setor é “risonho” e que conta com o apoio de muitos portugueses.

"A tauromaquia contribui com muitos milhões para o erário público"

É caso para dizer que ‘saiu o tiro pela culatra ao PAN – Pessoas Animais Natureza’. Quem o garante é Hélder Milheiro que assegura que as propostas levadas à Casa da Democracia para abolição das corridas de touros acabaram por fortalecer a tauromaquia através da união da opinião pública.

Hélder Milheiro é marketeer de profissão e descobriu-se aficionado há relativamente pouco tempo, já em adulto. A paixão nasceu pela procura de respostas em relação a tudo o que envolve o setor e, desde então, nunca mais se afastou, sendo o presidente executivo da PróToiro desde 2012.

Em entrevista ao Notícias ao Minuto deixou claro que a tauromaquia não recebe apoios do Estado, embora devesse, e que esta é uma atividade bastante lucrativa para os cofres públicos. 

Somos a tauromaquia do mundo com a maior presença de jovens

Qual é o panorama da tauromaquia em termos de espectadores?

Muito positivo. Levamos cerca de meio milhão de pessoas às praças para assistir às corridas de touros e ‘arrastamos’ mais de três milhões de pessoas por ano. Somos a tauromaquia do mundo com a maior presença de jovens.

E ainda assim o PAN de Lisboa quis abolir as corridas da praça do Campo Pequeno.

Essa intenção já foi votada e chumbada, como seria de esperar. Estamos a falar de uma dimensão autoritária e antidemocrática.

Em Portugal não há nenhum lugar, nem ninguém, nem nenhum órgão que possa proibir as corridas de touros

Já na Póvoa de Varzim foi a própria autarquia a auto-denominar-se como “anti-touradas".

Isso vale zero. Estamos a falar de uma dimensão folclórica. Em Portugal não há nenhum lugar, nem ninguém, nem nenhum órgão que possa proibir as corridas de touros. Mais uma vez estamos a falar de direitos culturais que são básicos na Constituição da República Portuguesa.

E Barrancos?

Barrancos é uma realidade muito específica.

Continua a realizar-se a lide com a morte do touro na arena.

A cultura é do povo, não é do Estado e o Estado não a pode proibir. Em 2002, o Estado reconheceu que existe uma especificidade cultural e que é sua obrigação respeitar a diversidade cultural.

Mas estamos a falar de uma especificidade que é a morte do touro na arena.

Sim, tal como morre a vaca que comemos ontem, o porco que vamos comer amanhã, a galinha que vamos comer depois…

Ver uma tourada é desfrutar de uma atividade cultural. Ninguém está a desfrutar com a morte do animal, as pessoas vão desfrutar de uma prática artística que é a lide do touro

Esta especificidade é um divertimento para quem assiste?

Uma corrida de touros não é um divertimento, é uma arte performativa profundamente ética. A ida a uma corrida de touros traduz-se em desfrutar, não em divertir. Ver uma tourada é desfrutar de uma atividade cultural. Ninguém está a desfrutar com a morte do animal, as pessoas vão desfrutar de uma prática artística que é a lide do touro.

O que leva uma pessoa a ir assistir a uma corrida de touros?

É a admiração, é o espetáculo que é criado para promover e mostrar um conjunto de valores.

Toureiro na arena está como um ator num palcoQue valores são esses?

Por um lado a admiração pelo homem, pelo toureiro que na arena está como um ator num palco: a representar um conjunto de valores. Ele representa a dimensão humana, a excelência humana – a coragem, a tranquilidade, a solidariedade para com os outros perante o perigo – e é isso que nós admiramos no homem que está na arena. Nós vamos à praça para ver esses valores em ação. Vamos também admirar o animal, vamos ver o encontro entre dois elementos: o racional e humano e o irracional e a força do animal.

A PróToiro vai defender sempre a tourada praticada em Barrancos?

Nós defenderemos sempre a diversidade cultural de Portugal na suas diversas vertentes.

A tauromaquia é financiada pelo Estado?

Não. O que o PAN diz é falso.

Mas se é cultura perante a lei não deveria ser financiada?

Dever devia, porque todas as outras práticas culturais são. É preciso recordar que a tauromaquia é uma atividade de natureza artística, classificada pelo Estado como parte integrante do património cultural português e é tutelada pelo Ministério da Cultura. Mas apesar de tudo isto, não tem financiamento do Estado.

Então de onde vem o financiamento da atividade?

Das receitas de bilheteira. O poder popular e a sua adesão é tal que consegue – e talvez seja caso único em Portugal – viver só da bilheteira. Existem alguns apoios municipais, nomeadamente para os grupos de forcados, mas são absolutamente irrelevantes.

Porque é que se fala em financiamento público?

Parece-me que esse argumento, que foi uma moda internacional importada para Portugal nos anos da crise, surge dos apoios do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas. O que fizeram foi ver a lista de beneficiários dos apoios agrícolas e se algum tivesse um nome ligado à tauromaquia era sinónimo de receber ajuda para as touradas. É o mesmo que dizer que o vegetarianismo é subsidiado pela Política Agrícola Comum (PAC). Aliás, o que acontece é o oposto.

O oposto?

Sim, a tauromaquia é um grande financiador do erário público através dos impostos diretos e indiretos. A tauromaquia contribui com muitos e muitos milhões de euros para o erário público, ao contrário do que é dito.

Como vê o futuro da tauromaquia em Portugal?

Vejo muito bom e muito risonho. A verdade é que o PAN, na sua tentativa de atacar a tauromaquia, o que fez foi mostrar a grande força que a tauromaquia tem socialmente, não só pelos chumbos esmagadores das propostas que foram levadas ao Parlamento, como pela reação social que isso provocou.

Mesmo aqueles que não a apreciam diretamente identificam a tauromaquia com aquilo que ela é: um traço identitário da cultura portuguesa

Sentiu apoio por parte da população não aficionada?

Sim, tivemos uma dimensão da opinião pública que saiu em defesa das corridas de touros e o PAN percebeu que não tem capacidade para seguir o caminho que queria seguir. Os portugueses estão com a tauromaquia, vivem a tauromaquia e mesmo aqueles que não a apreciam diretamente identificam-na com aquilo que ela é: um traço identitário da cultura portuguesa. Mas mais do que isso, o setor está a fazer um caminho de modernização e dinamização muito grande.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório