Meteorologia

  • 16 JULHO 2018
Tempo
25º
MIN 22º MÁX 27º

Edição

Casa Pia vai ter primeira casa para jovens mães à guarda do Estado

A Casa Pia de Lisboa vai ter, pela primeira vez, uma casa de autonomização para jovens mães que estão à guarda do Estado, que irá começar a funcionar em setembro com quatro jovens que serão responsáveis pela gestão do apartamento.

Casa Pia vai ter primeira casa para jovens mães à guarda do Estado
Notícias ao Minuto

08:18 - 14/07/18 por Lusa

País Projeto

O projeto experimental foi pensado ao longo dos últimos dois anos e surge da ausência de uma resposta deste género dentro das várias valências da Casa Pia de Lisboa.

Em declarações à agência Lusa, a diretora da instituição explicou que a Casa Pia tem já sete casas de autonomização, mas nenhuma para jovens mães, e que na elaboração deste projeto a opção foi a de fazer diferente.

"Elas vivem sozinhas. São suportadas todos os dias da semana e do ano por uma equipa de educadores, assistente social e psicólogo, mas que não estão dentro da casa e a elas são-lhes dadas competências pessoais, sociais e técnicas bem como um grande pacote de competências parentais", explicou Maria Cristina Fangueiro.

De acordo com a responsável, o apartamento terá capacidade para quatro jovens e os seus respetivos filhos, estando, para já, apenas uma jovem em vias de ser selecionada. As raparigas terão idades a partir dos 18 anos, apesar de não estar excluído à partida que possa ser necessário receber uma mãe mais nova.

"O que é essencial é que as jovens queiram aderir ao programa e aceitar as regras, e têm de ter algum nível de maturidade senão não cumprem o programa", adiantou.

Segundo Maria Cristina Fangueiro, não se tratam de alunas casapianas, mas sim raparigas à guarda do Estado, com uma medida de promoção e proteção, que podem vir referenciadas pelo Instituto da Segurança Social, pelas Comissões de Proteção ou por outras instituições onde já estejam acolhidas que entendam que neste apartamento elas terão melhores condições.

O período de permanência não está definido à partida e irá depender das necessidades de cada jovem.

"Se vierem a trabalhar, queremos reforçar as competências para terem melhor trabalho, se vierem a estudar queremos que cresçam no percurso escolar e queremos que saiam autónomas e com capacidade para criar o filho e com rutura com qualquer problema de exclusão ou de pobreza que tenha havido anteriormente", disse Maria Cristina Fangueiro, garantindo que cada uma das jovens que vier a viver no apartamento só sai quando tiver uma vida estável e organizada.

Como vão ser as quatro jovens as responsáveis pela gestão não só da sua vida diária, mas também do apartamento, a Casa Pia vai atribuir uma bolsa a cada uma delas, no valor atual do Indexante dos Apoios Sociais (IAS), ou seja, 428,90 euros.

Paralelamente, as equipas técnicas vão garantir que as jovens têm acesso a todos os apoios sociais a que possam ter direito, bem como os seus filhos, havendo ainda duas magistradas que estão a ajudar na parte jurídica e na articulação com os tribunais.

Atualmente, e enquanto as jovens mães não chegam para ocupar o apartamento, o tempo é de ultimar pormenores e articular trabalho com a Câmara Municipal de Odivelas, não só, por exemplo, para conseguir vagas nas creches, mas também para haver uma ajuda ao nível da habitação ou emprego no momento da saída do apartamento.

A diretora da Casa Pia acredita que este é um projeto para correr bem e adiantou que a instituição pretende criar mais apartamentos de autonomização, estando previstos mais três para o próximo plano estratégico, aos quais se poderão também somar casas específicas para jovens mães.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.