Meteorologia

  • 18 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 19º

Edição

Técnicos Superiores de Diagnóstico reclamam justiça amanhã no Porto

Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (TSDTs) exigem justiça e valorização profissional. Sobre a implementação das 35 horas de trabalho semanais, teme que o regime cause o caos no Serviço Nacional de Saúde, caso não haja a contratação imediata de profissionais.

Técnicos Superiores de Diagnóstico reclamam justiça amanhã no Porto
Notícias ao Minuto

17:55 - 12/07/18 por Melissa Lopes

País Saúde

Os Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (TSDTs) vão estar em greve esta sexta-feira, dia 13, e fazer-se ouvir no Porto, assinalando mais uma etapa das reivindicações que têm vindo a fazer. Reclamam “justiça” e afirmam que o Governo recusa.

Estes profissionais exigem a implementação de uma tabela salarial com paridade com outras de igual exigência habilitacional e profissional, que assegure uma efetiva valorização salarial.

Além disso, pretendem ver contabilizado o tempo de serviço anterior ao processo de transição, para a carreira especial para efeitos de progressão e promoção na nova carreira.

Igualmente, "não querem ver no lixo a relevância da avaliação do desempenho anterior ao processo de transição".

Pretendem também “acabar com a incerteza e ver definidos de forma justa os princípios do sistema de avaliação de desempenho”. Por fim, “não aceitam que pelas regras do novo sistema de avaliação (SIADAP), a maioria dos trabalhadores possa permanecer 10 anos até ser obrigatória a sua alteração de posição remuneratória.

Os TSDTs sentem-se injustiçados pelo facto de, a nível de formação, conhecimento especializado e exigência, estarem ao mesmo nível de outros profissionais de saúde, mas no que toca a direitos e remuneração, não. Para ter o título profissional, sublinham, é-lhes exigida uma licenciatura, no entanto, estes profissionais são os únicos no setor da saúde que não têm remuneração a nível de licenciados.

E sobre a aplicação das 35 horas?

Os TSDT dizem já ter alertado o Governo para "a necessidade de contratação imediata de mais profissionais, para evitar a rutura que se prevê que ocorra com um grande número de TSDTs a transitar do regime de 40 para 35 horas semanais".

Desde 1 de julho, sublinhe-se, que os TSDTs estão em greve às horas extraordinárias e bancos de horas, tendo já resultado na demora de marcações para a realização de exames e para a entrega de resultados.

"Se as horas extraordinárias, que não deviam ser a regra, são vitais para o normal funcionamento dos serviços, prevê-se que a passagem para o regime de 35 horas lance o caos no SNS", antecipam. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.