Meteorologia

  • 17 AGOSTO 2018
Tempo
27º
MIN 22º MÁX 29º

Edição

Contradições nos depoimentos de mulheres feridas por disparos da PSP

Duas mulheres testemunharam hoje em tribunal terem sido atingidas por disparos de `shotgun´ (balas de borracha) da polícia na Cova da Moura, Amadora, em fevereiro de 2015, mas os seus depoimentos revelaram-se contraditórios em relação a outros factos.

Contradições nos depoimentos de mulheres feridas por disparos da PSP
Notícias ao Minuto

20:05 - 10/07/18 por Lusa

País Cova da Moura

Nenhum dos advogados dos 17 polícias da esquadra de Alfragide que estão a ser julgados no Tribunal de Sintra por agressões e insultos racistas a jovens da Cova da Moura questionou o facto de as duas mulheres, residentes na Cova da Moura, terem sido atingidas por disparos, mas a descrição das circunstâncias em que se desenrolaram os acontecimentos levaram as duas ofendidas a entrar em contradição e a apresentar versões diferentes sobre o filme da operação policial.

Uma das ofendidas, Jailsa Sousa, afirmou que só um dos polícias tinha uma caçadeira (shotgun) e disparou três tiros, dois dos quais a atingiram, enquanto a outra, Neuza Correia, testemunhou que o bairro foi "fechado" por três polícias com caçadeiras e que outros dois, situados junto da Associação Moinho da Juventude, também estavam munidos de shotgun, tendo sido estes últimos a efetuar os disparos.

Jailsa Sousa garantiu que foi um único polícia que disparou os três tiros que lhe acertaram no peito e na perna e em Neuza Correia na zona do nariz, mas esta última ofendida diz que terão sido dois polícias a disparar com shotgun e que o segundo tiro foi o que lhe acertou no nariz e não o que atingiu a perna de Jailsa Sousa.

Jailsa Sousa, que estava na varanda de sua casa, garantiu que os dois primeiros tiros foram disparados contra si, versão que não coincide com a de Neuza Correia, que fala num único tiro para o ar, que terá atingido Jailsa, e num segundo tiro que a atingiu no nariz.

Ambas as testemunhas, que são ao mesmo tempo ofendidas devido aos ferimentos sofridos, coincidem na versão de que os polícias agrediram à chapada, ao murro e pontapés o jovem Bruno (mais conhecido por `Timor´), mas uma delas disse que o jovem tinha as mãos encostadas à parede e a outra chegou a dizer que o jovem estava algemado.

Nenhuma das testemunhas viu sangue no rosto ou corpo de `Timor´, nem este ser levado para o interior de uma carrinha da polícia.

As incongruências quanto aos pormenores da atuação policial e também as divergências entre o que foi hoje declarado hoje pelas ofendidas em julgamento e o que terão dito em fase de investigação, levou advogados dos polícias arguidos a pedir ao tribunal que seja extraída certidão contra as duas testemunhas para eventual procedimento criminal por falsas declarações.

A presidente do coletivo de juízes, Ester Pacheco, manifestou também estranheza pelo facto de Jailsa Sousa, após ter sido atingida por balas de borracha no peito e na perna e de ter entrado em pânico, gritado que ia morrer, ter tido, afinal, o sangue frio necessário para, ao chegar à rua, pedir a uma pessoa que não conhecia para tirar o carro do local, por forma a poder apanhar o cartucho deixado pela polícia.

Atingida primeiramente no peito, a ofendida assegura que conseguiu, mesmo assim, reparar que o polícia se agachava, a cada disparo, com a preocupação de apanhar os cartuchos.

A juíza estranhou também que a ofendida, apesar de ferida no peito e na perna, não tenha chamado imediatamente o 112 e tenha tido a lucidez de se preocupar em encontrar um cartucho que julgava ter visto cair para debaixo de um automóvel ali estacionado.

Dificuldades em identificar todas cores da carrinha da polícia, dizer se os vidros estavam protegidos ou não por grades, se os polícias fardados usavam ou não capacetes, foram outros pontos que fragilizaram o depoimento das testemunhas hoje ouvidas, cujas limitações na oralidade também prejudicaram o seu depoimento.

Os agentes da PSP estão acusados de denúncia caluniosa, injúria, ofensa à integridade física e falsidade de testemunho, além de acusações de tortura e outros tratamentos cruéis, degradantes ou desumanos, a par sequestro e de omissão de auxílio.

Os arguidos negam os crimes que lhe são imputados na acusação e enfrentam um pedido de indemnização cível de seis jovens da Cova da Moura que reclamam o pagamento de uma quantia superior a 300 mil euros.

Segundo a acusação, os elementos da PSP, à data dos factos (05 de fevereiro de 2015) a prestar serviço na Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial da Amadora, espancaram, ofenderam a integridade física e trataram de forma vexatória, humilhante e degradante as seis vítimas, além de incitarem à discriminação, ao ódio e à violência por causa da raça.

Um agente a quem está confiada a utilização da 'shotgun' também negou as acusações, recusando que os cartuchos que constam dos autos e que supostamente teriam ferido uma moradora na Cova da Moura, sejam os usados por aquela equipa policial.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.