Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2018
Tempo
23º
MIN 21º MÁX 25º

Edição

Presidente da República promulga regime jurídico da educação inclusiva

O Presidente da República promulgou o diploma do regime jurídico da educação inclusiva, que pretende responder à "diversidade das necessidades e potencialidades" dos alunos do ensino pré-escolar, básico e secundário.

Presidente da República promulga regime jurídico da educação inclusiva
Notícias ao Minuto

16:24 - 23/06/18 por Lusa

País Marcelo

O Governo aprovou a 24 de maio o novo regime legal da educação inclusiva no qual defende a cooperação e trabalho de equipa na "identificação de medidas de acesso ao currículo e às aprendizagens" e a criação de equipas multidisciplinares.

O Ministério da Educação admitiu que Portugal é ainda um país com baixas taxas de inclusão de alunos no sistema educativo, subsistindo nas escolas um número significativo de jovens com necessidades específicas em espaços físicos ou curriculares segregados.

Esta constatação justificou uma revisão do quadro legal em vigor por forma a criar condições para "a construção de uma escola progressivamente mais inclusiva".

A promoção da relação entre o professor de educação especial e os professores da turma é um dos princípios orientadores do documento.

O ministério explicou, em maio, que o objetivo do projeto-lei lei era responder à "diversidade das necessidades e potencialidades de todos e de cada um dos alunos", através do aumento da participação na aprendizagem e na comunidade.

O trabalho com os alunos deverá ser definido e acompanhado por uma equipa multidisciplinar de apoio à educação inclusiva.

O decreto-lei tem como eixo central a necessidade de cada escola reconhecer a mais-valia da diversidade dos seus alunos, "encontrando formas de lidar com essa diferença".

Deverá, assim, adequar os processos de ensino às características e condições individuais de cada aluno, "mobilizando os meios de que dispõe para que todos aprendam e participem na vida da comunidade educativa".

O Conselho Nacional de Educação (CNE) considera positivo o decreto-lei, mas recomenda um reforço dos recursos humanos nas escolas e turmas mais pequenas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório