Meteorologia

  • 08 ABRIL 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 21º

Edição

Movimento alerta para os despejos estarem a descaracterizar o Porto

Os despejos e a especulação imobiliária no Porto estão a "descaracterizar e esvaziar" a cidade, sendo urgente que o Governo faça cumprir o direito constitucional à habitação, disse hoje um dos membros do movimento Direito à Cidade.

Movimento alerta para os despejos estarem a descaracterizar o Porto
Notícias ao Minuto

21:05 - 01/06/18 por Lusa

País Direitos

Numa iniciativa pública de rua, intitulada de 'Microfone Aberto' e cujo o objetivo era ouvir os moradores, em Cedofeita, no Porto, o movimento, que já realizou uma manifestação a 07 de abril, exigiu medidas efetivas contra a "escalada louca" dos preços das rendas para combater a especulação imobiliária, um forte investimento na habitação pública, a limitação gradual da proliferação do alojamento local e a suspensão de novas licenças para empreendimentos hoteleiros.

Uma das impulsionadoras, Nicole Santos, vincou que hoje é "extremamente difícil" para um jovem conseguir arrendar uma casa no Porto porque um T1 custa entre 600 a 650 euros, o que é incomportável para quem tem um salário mínimo de 580 euros e um salário médio de 630.

"Assim, ninguém consegue. Esta situação afeta transversalmente toda a população, desde jovens, famílias e idosos", referiu.

Nicole Santos enalteceu as alterações que foram feitas à lei dos despejos, contudo considerou não serem suficientes para resolver o problema.

"Não existe vontade política e coragem para quebrar os lobbies das imobiliárias, as populações estão a ser varridas do Porto e dos concelhos vizinhos, por isso, quem tem responsabilidades no Governo e na câmara deve tomar uma posição", entendeu.

Atualmente, a cidade está vazia, não tem habitantes no centro, está descaracterizada e a ser direcionada única e exclusivamente para o turismo, lembrando haver grupos internacionais e nacionais e investir em ruas inteiras, frisou.

Nicole Santos vincou não ter nada contra o turismo, dado até ser o seu setor profissional, mas adiantou que este deve ser equilibrado, regulamentado e limitado.

Para tentar inverter a situação, o movimento Direito à Cidade enviou um manifesto a todos os grupos parlamentares da Assembleia da República, à Presidência da República e à Câmara Municipal do Porto, tendo até agora obtido como única resposta um e-mail de receção do documento.

"Há uns anos, a nossa cidade entrou num processo de descaracterização. Os nossos cafés, tascos, quiosques e alfarrabistas desapareceram para dar lugar a lojas de `souvenirs´ e restaurantes gourmet. Há hotéis e hostels em todas as ruas, esquinas e becos, em detrimento de habitação permanente", lê-se no manifesto.

O documento realça que não importa que o Porto seja "Best European Destination" todos os anos, se quem cá está continua a ganhar um salário mínimo "de miséria" que não chega para pagar a renda.

A forma como a cidade está a ser desenhada implica o desprezo pelos seus moradores, sendo hora de reivindicar o direito à cidade, afiançou o movimento, acrescentando que o Porto não é uma montra.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório