Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2018
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 20º

Edição

Apoio psicológico só foi dado a 40% das pessoas que necessitaram

O apoio psicológico apenas foi dado a 40% das pessoas que sentiram essa necessidade na sequência dos fogos de junho e de outubro de 2017, concluiu um inquérito realizado aos afetados por esses incêndios.

Apoio psicológico só foi dado a 40% das pessoas que necessitaram
Notícias ao Minuto

10:14 - 26/05/18 por Lusa

País Incêndios

O resultado surge nas conclusões do estudo de opinião realizado no âmbito da comissão de acompanhamento à população afetada pelos incêndios de 2017, na área da saúde mental, que finalizou o seu relatório final este mês e ao qual a agência Lusa teve acesso.

Dos inquiridos, apenas 17,9% referiram ter necessidade de apoio psicológico.

Das pessoas que receberam apoio psicossocial, 56,9% consideraram-no "suficiente, e, no que respeita à qualidade do mesmo, apenas dois dos inquiridos consideraram que não tinham sido bem atendidos".

Dos aspetos mais positivos do apoio psicossocial, surge, em primeiro lugar, a oferta de bens, como roupa ou alimentos (43%), surgindo depois o acompanhamento psicológico (11,3%) e a solidariedade (10,2%).

Relativamente aos aspetos negativos, as pessoas afetadas criticaram a falta de apoio (40,8%), injustiças ou má distribuição (19,9%) e a falta de comunicação ou informação (08,3%).

Os inquiridos apontaram o serviço de saúde (38,8%), domicílio (38,5%) e bombeiros (36,7%) como os locais onde deveria ser prestado o apoio psicossocial.

Os concelhos onde o impacto psicológico foi mais referido (23,8% dos entrevistados) situam-se no grupo de Oliveira do Hospital, Arganil e Tábua (acompanhados por uma equipa de saúde mental comunitária) e no grupo de Pampilhosa da Serra, Góis, Lousã e Vila Nova de Poiares (que são "caracterizados por terem uma resposta reduzida na área da saúde mental").

Já nos concelhos mais afetados pelo grande incêndio de 17 de junho -- Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos -, a percentagem é muito reduzida (04%), o que "sugere a importância de uma resposta de saúde mental consistente já instalada no terreno".

O inquérito, realizado em 26 concelhos afetados pelos grandes incêndios de 2017, foi feito a mais de 700 pessoas, sendo que 08% (58 inquiridos) perderam um familiar ou amigo e 5,4% referiram terem sido eles próprios, amigos ou familiares vítimas de ferimentos. Foram também entrevistados bombeiros, um elemento das forças de segurança, 19 profissionais de saúde e oito profissionais de intervenção social.

Dos 08% que referiram ter perdido um familiar ou amigo durante os incêndios, 63,8% evidenciavam um processo normal de luto e cerca de um terço relataram reações que podem estar relacionadas com processo de luto complicado (36,2%), segundo o inquérito a que a agência Lusa teve acesso.

Cerca de dois terços das 58 pessoas que experienciaram um processo de luto referiram não ter sentido necessidade de apoio psicológico, sendo que as pessoas com luto complicado sentiram uma maior necessidade deste tipo de apoio.

De acordo com o inquérito, nove das 11 pessoas que evidenciaram luto complicado receberam apoio psicossocial e todos referiram ter "sido bem ou muito bem atendidos".

No estudo, fica também claro que os profissionais do centro de saúde tiveram um maior peso (42,1% contra 09,4%) no apoio nos incêndios de junho em relação aos de outubro, enquanto nestes, os familiares e amigos, bem como os municípios, tiveram um papel mais importante.

"Estas diferenças parecem estar relacionadas não só com a estrutura dos serviços de saúde locais, como com a estrutura da família e da sociedade em geral", explica o estudo.

O inquérito também questionou 67 entidades locais, como câmaras municipais, juntas de freguesia, centros de saúde e escolas, que consideraram que deveria ter havido mais coordenação, mais locais de atendimento e menos burocracia na resposta psicossocial às pessoas afetadas pelos grandes incêndios de 2017.

As entidades apontaram ainda para a necessidade de menor demora nas consultas (23,6%), melhores horários de atendimento (10,9%) e melhor preparação dos profissionais (07,3%).

Cinquenta e seis das 67 entidades inquiridas revelaram que os incêndios tiveram também um impacto institucional.

Mais de metade (58,9%) referiu que o principal impacto sentido na sequência dos fogos foi o impacto psicológico sobre os trabalhadores e colaboradores, sendo que "algumas entidades referiram ter havido absentismo por razões de saúde mental".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório